Surfshark
Astronomia no Zênite
Sistema Solar - Eclipses

Eclipses lunares

Iluminada pelo Sol, a Terra sempre projeta uma imensa sombra no espaço, na direção oposta aos raios solares. Ela se estende em forma de cone por mais de um milhão de quilômetros e se divide em duas regiões: a penumbra e a umbra, ou sombra propriamente dita, sendo que o cone de penumbra envolve o cone de sombra. Como a Lua gira em torno da Terra, vez por outra ela pode adentrar no cone de sombra ou penumbra. São os eclipses lunares.

Eclipse lunar

Para que aconteça um eclipse lunar é necessário que a Terra esteja exatamente entre a Lua e o Sol. Se o nosso satélite girasse no mesmo plano da órbita terrestre haveria eclipse todos os dias de Lua Cheia. Como isso não acontece, é preciso que a Lua Cheia coincida com a passagem pelos nodos, que são as interseções do plano da órbita da Terra com o plano da órbita lunar (figura abaixo).

Linha dos nodos

Como a Terra tem mais de 3 vezes o diâmetro da Lua, sua sombra pode envolver facilmente o nosso satélite, quando então dizemos que o eclipse é total. Se a Lua atravessa somente o cone de penumbra da Terra ocorre um eclipse penumbral. Uma imersão parcial no cone de sombra configura um eclipse lunar parcial.

Mesmo totalmente imersa na sombra gerada pela Terra, a Lua não desaparece por completo. A atmosfera terrestre desvia os raios solares para o eixo do seu cone de sombra.

Eclipses lunares

A Lua então se tinge de um belo vermelho-alaranjado e todas as populações da Terra que tiverem a Lua Cheia acima do horizonte assistirão ao fenômeno. Um observador na Lua veria o Sol totalmente encoberto pelo nosso planeta.

PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

A Lua leva cerca de 1 hora para transitar da penumbra à sombra, enquanto outra hora é necessária para que o eclipse seja total. A fase de obscurecimento completo dura cerca de 1 hora e 30 minutos (eclipses parciais demoram bem mais). Duas horas mais tarde o eclipse termina.

Portanto, um eclipse lunar pode demorar cerca de 5 horas e 30 minutos (do começo ao fim), tempo que afinal é mais do que suficiente para observações detalhadas. Na tabela abaixo os mais longos deste século, sendo que a duração se refere à totalidade ou parcialidade (não inclui a fase penumbral).

Os mais longos eclipses lunares do século XXI
TipoDataDuração
Total27 de julho de 20181h e 42min
Total7 de julho de 20471h e 40min
Total28 de junho de 20941h e 39min
Parcial19 de novembro de 20213h e 28min
Parcial11 de dezembro de 20573h e 24min
Parcial7 de agosto de 20553h e 23min

A cada ano ocorrem no máximo 7 eclipses, sendo que no mínimo 2 são lunares. Após 18 anos e 11 dias eles voltam a ocorrem numa mesma sequência. É o período (ou ciclo) de Saros, que já era conhecido na antiga civilização dos caldeus. Em cada Saros ocorrem 70 eclipses, sendo 29 lunares. Artigo de Astronomia no Zênite

Timelapse de um eclipse total da Lua. Crédito: Griffith Observatory.

 

Todos os eclipses do século XXI
Eclipses solares

Referências (fontes consultadas)
Mourão, R. R. F. Eclipses, da supertição à previsão matemática. Rio Grande do Sul: Editora Unisinos, 1993. 238 p.
Publicação em mídia impressa
Costa, J. R. V. Eclipse total. Tribuna de Santos, Santos, 25 out. 2004. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.
Créditos: Costa, J.R.V. Eclipses lunares. Astronomia no Zênite, out. 1999. Disponível em: <https://www.zenite.nu/eclipses-lunares>. Acesso em: 27 mai. 2022.
Como citar esta página como uma fonte da sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.