Astronomia no Zênite
Sistema Solar

A duração do ano

O movimento que um planeta realiza em torno do Sol (ou de sua estrela) é chamado de revolução. Certamente você aprendeu diferente. Praticamente todos os livros didáticos (e os professores) chamam isso de translação. Na verdade, até os dicionários de língua Portuguesa falam que “translação é o movimento que a Terra realiza em torno do Sol”.

Porém, do ponto de vista científico, isso está errado. Em qualquer área da Física que estuda o movimento dos corpos “translação” é um movimento paralelo a um determinado eixo. Uma órbita, no entanto, é um percurso fechado, não sendo paralela a nenhuma reta.

Revolução é o termo que descreve um movimento ao redor de algo. E o próprio Nicolau Copérnico, ao defender o Heliocentrismo, chamou sua obra de “Sobre a revolução das orbes celestes”(1543).

Vamos, portanto, usar a denominação mais apropriada. A revolução de um planeta em volta de sua estrela é o que determina o período de tempo que chamamos de ano. Vejamos, então, a duração do ano (em dias) em diferentes corpos que fazem parte do Sistema Solar.

Astro Revolução (em dias)
Mercúrio 88
Vênus 224.7
Terra 365.2
Marte 687
Júpiter 4331
Saturno 10.747
Urano 30.589
Netuno 59.800
Plutão 90.560

A primeira informação importante que podemos concluir desses dados é também uma das leis mais conhecidas da Astronomia: quanto mais perto do Sol estiver um planeta, mais rápido ele se move e, portanto, mais curto é o seu período de revolução ─ o seu ano. Essa é uma das três Leis de Kepler, famoso astrônomo alemão que viveu entre 1571 e 1628.

De um lado, um ano em Mercúrio demora menos que 3 meses na Terra. No extremo oposto, é preciso passar quase 164 anos para Netuno complete um percurso semelhante. Um hipotético ser humano vivendo em Mercúrio talvez não gostasse de celebrar seu aniversário contando os anos desse planeta, pois 20 anos passados na Terra equivalem a 83 anos em Mercúrio!

A duração dos anos na tabela acima é fornecida em número de dias terrestres, mas para os corpos externos à órbita da Terra é interessante convertê-la em anos. É o que temos na próxima tabela.

Astro Revolução (em anos)
Terra 1
Marte 1,88
Júpiter 11,8
Saturno 29,4
Urano 83,7
Netuno 163,7
Plutão 248

O período de tempo que um planeta gasta para dar uma volta em torno do Sol é chamado de ano sideral. No caso da Terra, o ano sideral é igual a 365 dias, 6 horas, 9 minutos e 9,8 segundos. O termo sideral vem do latim sidus, que significa astro. Para a Astronomia, isso quer dizer que estamos usando como referência as estrelas distantes.

Contudo, no passado, era muito mais fácil obter essa medida tomando como referência a estrela mais próxima, o Sol. E este ciclo, chamado de ano solar ou ano trópico, tinha um valor ligeiramente diferente: 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 45,2 segundos. O ano solar é o que é usado para elaborar o calendário.

Origens

Mas por que existe o ano? Por que os planetas giram em volta do Sol (o movimento de revolução, que produz o ano) e em torno de si mesmos (a rotação, que gera o dia)? Bem, isso é uma velha história, literalmente.

Mais de 4 bilhões de anos atrás, uma enorme nuvem de gás e partículas em nossa galáxia começou a se contrair e a girar, talvez perturbada pelo puxão gravitacional de estrelas vizinhas. Conforme aumentava a concentração do material e a velocidade desse giro, a nuvem foi pouco a pouco assumindo a forma de um imenso disco achatado.

A temperatura aumentou, pois as moléculas gasosas colidiam cada vez mais umas com as outras, num processo mais evidente nas regiões centrais da grande nuvem, onde a pressão comprimia um número cada vez maior de partículas.

Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

Após certo tempo, no centro do disco de matéria formou-se um corpo tão quente que, a partir de certo momento, começaram a ocorrer reações termonucleares em seu interior, dando início a uma abundante produção de energia. Assim nasceu o Sol. Ao redor dele, a poeira e os gases residuais da nuvem ainda giravam velozmente e não podiam cair para o centro. Eles então se agregavam, formando um enxame de pequenos glóbulos de matéria quente que deram origem aos planetas.

O movimento primordial da nuvem sobrevive hoje na revolução desses planetas e na rotação do próprio Sol. Já a rotação dos planetas vem do fato que a nuvem primordial de matéria se comportava como um grande disco, com suas partes mais externas girando mais depressa que as internas. Assim, à medida que os planetas foram tomando forma, a diferença de velocidade entre as porções mais afastadas e as mais próximas do centro da nuvem forçaram esses mundos a girar em volta de si mesmos também.  Fim

A FORMAÇÃO do Sistema Solar. Vídeo legendado em Português da California Academy of Sciences.

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

A duração do dia
Espaçonave Terra

Referências (fontes consultadas)
• Planetary Fact Sheet. NSSDCA – NASA. Disponível em <https://nssdc.gsfc.nasa.gov/planetary/factsheet/>. Acesso em 18 jul 2020.
• Cherman, A., Vieira. F. O tempo que o tempo tem: por que o ano tem 12 meses e outras curiosidades sobre o calendário. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. 146 p.
Como citar o texto desta página como fonte de sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.