Surfshark
Astronomia no Zênite
Sistema Solar - Eclipses

Lua de sangue

Aquela era a quarta viagem de Cristóvão Colombo. Ela começou com a saída em Cádiz, no dia 11 de maio de 1502, e o famoso navegador estava em companhia do seu filho Fernando e de Bartolomé de Las Casas. Quase dois anos mais tarde, na Jamaica, os indígenas se recusaram a reabastecer o navio, comprometendo a jornada.

Em maior número que a tripulação, entrar num conflito armado seria suicídio. Colombo, então, articulou um estratagema de outro mundo.

Ele já havia folheado as efemérides e sabia que dali a três dias aconteceria um eclipse total da Lua. Ardilosamente, mandou reunir os nativos e os ameaçou, dizendo que seu deus, que habitava o céu, iria fazer a Lua desaparecer se eles não fornecessem os suprimentos de que precisavam.

Colombo
COLOMBO intimida os nativos na Jamaica. Gravura: Biblioteca Pública de Nova Iorque.

A maioria não acreditou. E chegaram até mesmo a zombar da audácia do homem branco. Mas na noite de 29 de fevereiro de 1504, no porto de Santa Glória, quase no meio da ilha da Jamaica, a Lua Cheia foi vista se erguer no horizonte e, pouco a pouco, desvanecer.

BELÍSSIMO Timelapse de um eclipse total da Lua. Crédito: Griffith Observatory.

Os índios gritavam em socorro. Mas, para total desespero deles, Colombo apenas retirou-se para sua cabine e nada falou. Lá, secretamente usou sua ampulheta para medir a passagem do tempo e, quando percebeu que o eclipse atingira seu máximo e logo começaria a regredir, Colombo retornou triunfante.

POR QUE SANGUE?

Para Richard Friedman “o sangue é o maior símbolo da vida. Ao usá-lo em rituais, os fiéis reforçam seu vínculo com a divindade e se purificam”. Ele ainda acrecenta: ”Na interpretação cristã posterior, o próprio Jesus é considerado o sacrifício final, que limpa os pecados da humanidade de forma definitiva, o que dispensa a morte de animais.”

Deus estava disposto a perdoa-los, disse ele, e curar a Lua de sua inflamação, pois todos já haviam presenciado a sua cólera. Os indígenas logo se puseram a reabastecer o navio, aliviados e obedientes.

A “inflamação da Lua”, a qual Colombo se referiu segundo o relato de Fernando na biografia de seu pai, era uma clara referência ao vermelho sangue que muitas vezes a Lua se tinge no auge dos eclipses totais.

A cor é resultado da dispersão da luz do Sol, que passa rasante pela atmosfera da Terra e termina por alcançar a Lua, que de outro modo permaneceria enegrecida até o eclipse terminar.

Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

Diferentes encarnados

É claro que nem todos os eclipses totais da Lua se enrubescem da mesma maneira. Sabendo disso, o astrônomo francês André Danjon (1890-1967) criou uma escala arbitraria que atribui um coeficiente de brilho relativo para cada aspecto que a Lua apresenta na totalidade. A “Escala de Danjon” é mostrada a seguir.

Escala de Danjon
Escala de Danjon
Escala de Danjon
Muito escuro
A Lua é quase invisível. Sua cor na totalidade é cinza ou castanho.
Escuro
Os detalhes do relevo são de difícil observação.
Vermelho-escuro
Observa-se uma mancha escura no centro da sombra e a zona exterior é clara.
Vermelho-tijolo
Sombra limitada por uma zona cinza ou amarela clara.
Alaranjado
Muito claro, com zona exterior luminosa e às vezes azulada.

Estudando mais de 150 eclipses da Lua detalhadamente, Danjon concluiu que havia uma correlação entre a luminosidade da Lua eclipsada e a atividade solar. Na sequência de um mínimo solar, por exemplo, a Lua fica mais escura na totalidade. Mas se o eclipse acontece próximo de um máximo solar, então a vermelhidão do satélite aumenta.

Naturalmente, tal entedimento não estava disponível na época da descoberta da América pelos europeus. Nem para os navegadores, tampouco para os nativos.

Mas repare como o conhecimento é transformador. Sem ele, fenômenos naturais como eclipses, chuvas de meteoros e mesmo eventos climáticos inusitados são frequentemente atribuídos ao sobrenatural – e com isso facilmente utilizados para manipular e até escravizar populações inteiras.

É precisamente quando os identificamos como naturais – e procuramos compreende-los melhor – que nos tornamos realmente livres. Artigo de Astronomia no Zênite

NEM SEMPRE OS ECLIPSES LUNARES

Lua de Sangue

A Lua pode se tingir de vermelho também por outros motivos que não um eclipse total. A foto ao lado, por exemplo, foi obtida 5 noites depois da Lua Cheia de junho de 2015.

O fotógrafo Aaron Seefeld não usou qualquer filtro quando apontou para a Lua no estado norte-americano de Minnesota. O efeito foi produzido pela fumaça de incêndios florestais no Canadá, que fizeram a Lua nem sequer aparecer quando ainda estava perto do horizonte. Quando surgiu, estava nesse tom vermelho profundo, e à medida que subia ficava alaranjada.

Erupções vulcânicas também podem deixar a Lua com uma coloração incomum. Dependendo do que esteja em suspensão na atmosfera, você poderá ver a Lua roxa, marrom ou quem sabe uma Lua Azul “de verdade”…

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

Próximos eclipses
Eclipses lunares

Referências (fontes consultadas)
• Peterson, I. The Eclipse That Saved Columbus. ScienceNews. Disponível em <https://www.sciencenews.org/article/eclipse-saved-columbus>. Acesso em 2 jun 2015.
• Mourão, R. R. F. Eclipses: da superstição à previsão matemática. São Leopoldo: Unisinos Ed., 1993. p. 35-37, 60-61.
Créditos: Costa, J.R.V. Lua de sangue. Astronomia no Zênite, 9 jul. 2015. Disponível em: <https://www.zenite.nu/lua-de-sangue>. Acesso em: 19 out. 2021.
Como citar esta página como uma fonte da sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.