Novidades do Espaço ExteriorAntena
 Ano I - Nº 48

Nuvens escondem eclipse solar na Costa Rica
Jornal La Nacion e Astronomia no Zênite - 14 de dezembro de 2001

Depois que 96% do disco solar esteve encoberto pela Lua, restando apenas um belo anel de fogo, um eclipse anular do Sol teria sido apreciado por três minutos e 19 segundos na Costa Rica. Mas o mau tempo impediu que esse país, onde localizava-se o melhor sítio de observação em todo mundo, pudesse ter uma visão adequada do fenômeno.

Cientistas e aficionados que fizeram uma viagem a São José, capital da Costa Rica, não esconderam sua frustração. "As nuvens pareciam acompanhar a Lua e o Sol com o propósito de ocultar os astros", afirmou um observador. O eclipse começou às 15:14 h (hora local, ou 19:14 hora de Brasília) atingindo o máximo uma hora mais tarde. O fenômeno também pode ser visto da Nicarágua, país que teve melhor sorte com respeito às condições climáticas.

Na América do Norte o eclipse foi apenas parcial. O último eclipse anular visto nesse país centro-americano foi em 1973 e o próximo será daqui há mais de duas décadas. No Brasil o eclipse não foi visível. O primeiro eclipse anular do século XXI visível no Brasil será em 22 de setembro de 2006. Um pouco antes, em 29 de março, haverá o primeiro eclipse solar total.

Passando perto
Science@Nasa - 15 de dezembro de 2001

Não há qualquer perigo de colisão, mas nem por isso os astrônomos vão deixar de acompanhar o asteroide 1998 WT24 durante sua máxima aproximação com a Terra, que ocorrerá neste domingo dia 16 de dezembro. "Será uma grande oportunidade para estudar a aproximação de um asteroide", afirmou Donald Yeomans, chefe da equipe do Near-Earth Object Program (Programa de Objetos Próximos da Terra).

A última vez que um asteroide com um quilômetro de extensão, como o 1998 WT24, aproximou-se tanto do nosso planeta foi em 27 de agosto de 1969. Era o 1999 RD32, que passou a uma distância equivalente a 3,7 vezes a distância média da Terra à Lua. Mas há trinta e dois anos ninguém sabia sobre o 1999 RD32, pois ele não havia sido descoberto!

O brilho do asteroide 1998 WT24 atingirá magnitude 9 entre 15 e 16 de dezembro, próximo das constelações de Auriga e Perseu. Alvo fácil para um telescópio amador de seis polegadas ou superior. O asteroide 1998 WT24 viaja no Sistema Solar interior completando uma órbita a cada 222 dias e encontrando-se com três planetas: Mercúrio, Vênus e Terra. Sua distância ao Sol também é outro fato peculiar, 1998 WT2 está quase a mesma distância ao Sol que a Terra (1,02 UA).