Novidades do Espaço ExteriorAntena
 Ano IV - Nº 184

A super Terra
Space.com - 25 de agosto de 2004

Astrônomos europeus encontraram um dos menores planetas fora do Sistema Solar, um mundo 14 vezes mais maciço que a Terra em órbita de uma estrela parecida com o Sol. Aparentemente ele é um planeta rochoso como o nosso, uma "super Terra", segundo os pesquisadores.

Mas as semelhanças param por aí, esse mundo titânico completa uma volta em torno de sua estrela em incríveis 10 dias (contra os 365 dias do nosso mundo). Sua superfície também é um mistério, com temperaturas talvez da ordem dos 1.600 ºC. Nenhum planeta extra-solar tão pequeno havia sido descoberto antes.

E ele não está sozinho. Há pelo menos três planetas nesse sistema; um deles do tamanho de Júpiter, com período orbital de 650 dias (quase o ano marciano).

O outro fica bem mais distante do seu sol e o terceiro, a super Terra, é simplesmente único nos registros dos astrônomos. Quase tão maciço quanto Urano, ele está no limite de massa que um mundo rochoso pode atingir.

Sua estrela, mu Arae, fica a 50 anos-luz do Sol (um ano-luz mede aproximadamente 9,5 trilhões de quilômetros). A maioria dos planetas extra-solares conhecidos (até agora mais de 120) estão em órbita de estrelas a milhares de anos-luz de distância.

Os meteoritos e a evolução da vida
Spaceflight Now - 24 de agosto de 2004

Pesquisadores da Universidade do Arizona descobriram que os meteoritos (particularmente os ferrosos) podem ter sido críticos na evolução da vida na Terra. O estudo sugere que os meteoritos poderiam ter suprido mais fósforo que as fontes naturais desse elemento na Terra.

O fósforo é parte central da vida como a conhecemos. Ele está presente na estrutura do DNA e RNA, conectando-as em longas cadeias. É também vital para o metabolismo, pois está na molécula de ATP, o trifosfato de adenosina, fonte de energia para diversos seres vivos, e ainda está presente nas paredes celulares e nos ossos dos vertebrados.

Depois do carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, o fósforo é o elemento biológico mais importante em termos de massa. Porém ele é muito mais raro, e por isso se torna uma das chaves para a origem da vida. Sua fonte natural mais conhecida é um mineral chamado apatite, que libera fosfatos quanto em contato com água.

Os meteoritos ferrosos têm diferentes minerais que contém fósforo, entre eles um composto metálico extremamente raro na Terra – e que pode ter sido muito mais eficiente na geração de diferentes compostos a base de fósforo.