Surfshark
Astronomia no Zênite
Diário astronômico - Espaçonave Terra

O lado oculto da Lua

Um dos álbuns mais importantes da história do Rock chama-se The Dark Side of the Moon (1973) da banda britânica de rock progressivo Pink Floyd. O título, normalmente traduzido para o Português como “O lado escuro da Lua” vem de uma expressão há muito tempo incorporada à cultura popular, principalmente nos países de língua inglesa.

Pink FloydDARK SIDE… Um lugar de honra na história. Foto: Weaselhowlett

Conta-se que tudo começou em 1959, quando a sonda soviética Luna 3 transmitiu as primeiras imagens da face lunar que nunca vemos da Terra. A região foi chamada de dark side porque era desconhecida, não porque a luz solar não poderia alcançá-la.

Mas o termo pegou. E até hoje, leva ao erro cognitivo (uma espécie de “pensamento automático”) sugerindo que existe um lado da Lua que sempre está à sombra. Só que não existe.

Afastado

Existe uma sincronia entre dois movimentos da Lua: a rotação em torno de seu próprio eixo e a revolução em volta da Terra. Ao levar o mesmo tempo para dar um giro em torno de si mesma e completar uma volta na Terra, a Lua mantém sempre o mesmo lado voltado para nós.

Nunca podemos observar o outro lado, que por isso deve ser chamado de “lado oculto” ou ainda “lado afastado” (nunca “lado escuro”). Ou seja, a Lua gira sobre si mesma, só que demora tanto tempo para realizar esse movimento quanto para circular a Terra.

Face oculta e face visível da Lua
OS DOIS LADOS  Primeiro, a imagem familiar que temos da Lua e, à direita, o lado oculto, fotografado pela nave Clementine. Repare como ele é mais craterizado que a outra face.

Longos dias, noites demoradas

Repare que existe dia e noite na Lua, do mesmo modo que por aqui. Mas essa sucessão de períodos claro e escuro duram, cada um, quase 14 dias terrestres (metade do tempo que ela leva para girar sobre si mesma, que, lembre-se, é igual ao período de revolução). Imagine só: você poderia ficar perto de 2 semanas inteiras na Lua sem chegar a ver o Sol se pôr (ou nascer)!

LibraçãoDANÇA LUNAR

A rotação da Lua em volta da Terra se dá num período de aproximadamente 27 dias. Seu percurso não é circular. A Lua fica ora mais perto, ora mais longe de nós, e algumas vezes está adiantada, outras vezes atrasada. No final acaba sempre mostrando a mesma face para a Terra, mas com uma pequena oscilação que nos permite ver um pouco mais que a metade, ou 59% da superfície lunar. É a “libração óptica da Lua“.

Na Lua Nova, a face lunar voltada para nós está no escuro (não incide luz do Sol), mas o hemisfério oposto – o lado oculto para a Terra – está 100% iluminado (é dia por lá). Na Lua Cheia é oposto: vemos a face lunar onde é dia, enquanto o lado oculto, finalmente, é também um dark side ─ ainda que temporário.

As fases continuam se alternando e, durante os Quartos Crescente e Minguante, conseguimos presenciar uma metade de dia e a outra de noite. São “metades” do nosso ponto de vista, é claro. Pois sabemos que elas correspondem a 1/4 de todo globo lunar (daí a razão do nome Quarto). Artigo de Astronomia no Zênite

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

Fases da Lua
O brilho de da Vinci

Créditos: Costa, J.R.V. O lado oculto da Lua. Astronomia no Zênite, 29 jan. 2015. Disponível em: <https://www.zenite.nu/o-lado-oculto-da-lua>. Acesso em: 21 out. 2021.
Como citar esta página como uma fonte da sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.