DreamHost
Astronomia no Zênite
Sistema Solar

O incrível cometa Holmes

Era uma vez um astrônomo amador chamado Edwin Holmes, que vivia na Inglaterra do século XIX. Como todo astrônomo, ele gostava de olhar o céu, e na noite de 6 de novembro de 1892, Holmes fez uma descoberta.

Cometas

Era um cometa, que aumentava seu brilho à medida que se aproximava do Sol. Mas até aí nenhuma grande novidade.

Cometas são pequenos blocos de rocha e gelo que vagam pelo interior do Sistema Solar. Quando um deles se aproxima do Sol, o calor e a radiação provocam a evaporação de um manto de partículas e gases ao seu redor, chamado coma.

Aquecida, a coma se infla e dela surgem as caudas (pelo menos uma cauda de poeira e uma de gás), que se estendem por milhões de quilômetros pelo espaço – literalmente. Depois que o cometa se afasta, o calor diminui e a coma se recolhe. A cauda então desaparece e o cometa praticamente some junto com ela, diminuindo enormemente seu brilho.

A olho nu

Mas não foi bem isso o que aconteceu com o cometa que Holmes observou pela primeira vez naquele ano. Depois que o astro começou a se afastar do Sol, realmente enfraqueceu. Mas então, uns dois meses depois, o cometa exibiu um súbito e inesperado aumento de brilho.

Ninguém soube explicar o motivo. Tampouco o cometa fez aquilo de novo. De período orbital curto, a cada 6,8 anos ele volta a se aproximar do Sol, mas não brilha muito e fica ainda mais fraco quando se afasta. Ninguém ligava mais para ele.

Holmes
O COMETA 17P Holmes nunca se aproxima muito. Seu periélio fica a mais de duas vezes a distância da Terra ao Sol (2,053 UA), enquanto o afélio fica aproximadamente à mesma distância da órbita de Júpiter, porém bem longe do plano da eclíptica (19°). O Small-Body Database oferece um diagrama interativo da órbita desse cometa (em inglês).

Passaram-se 115 anos de idas e vindas sem graça do cometa Holmes (o astro recebeu o nome de seu descobridor, é claro). Até que, em maio de 2007, ele voltou a se aproximar do Sol. Mas como de costume, não brilhou muito e foi um dado a mais nas estatísticas dos astrônomos.

Mas então, na noite de 23 de outubro de 2007, quando já estava a mais de 365 milhões de quilômetros do astro-rei (2,4 vezes a distância da Terra ao Sol) algo realmente extraordinário aconteceu. O cometa acendeu como um farol, aumentando seu brilho 400 mil vezes em apenas algumas horas.

Fazendo isto, de um astro que só podia ser observado através de bons telescópios o cometa Holmes ficou visível a olho nu. Da Terra, via-se claramente uma “nova estrelinha” na direção da constelação de Perseu.

Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

Universo maravilhoso

Essa incrível erupção desencadeou algo ainda mais extraordinário. Ejetando material a mais de 1.800 km/h, a coma começou a inflar de forma descomunal. Não é incomum que um cometa com núcleo de poucas dezenas de quilômetros fique com uma coma do tamanho da Terra.

Mas a do Holmes está muito maior. Seu diâmetro atingiu 1,4 milhão de quilômetros no início de novembro. Com isso, o cometa Holmes igualou e ultrapassou o tamanho do Sol!

O astro-rei, é claro, continuou sendo o objeto com mais massa entre todos do nosso sistema planetário (a soma de todos os objetos do Sistema Solar não chega a 1% da massa do Sol).

Crescimento do halo
A FOTO em preto e branco (dos amadores Imelda Joson e Edwin Aguirre) mostra o crescimento estarrecedor de um halo em volta do cometa em poucos dias. Em 9 de novembro de 2007 ele atingiu o tamanho do Sol (foto obtida no Mauna Kea, Havaí). As fotos do Sol e Saturno (em escala) são da ESA, NASA e Projeto Voyager.

É claro, cometas também não têm luz própria. Mas naquele momento ímpar, existiu um astro no Sistema Solar que foi maior que o próprio Sol. Ninguém soube ao certo o que aconteceu.

Provavelmente algo parecido com o que ocorreu em 1892. Talvez um fragmento do núcleo tenha se rompido, deixando à mostra gelo virgem, que aquecido, provocou o súbito aumento de brilho.

Holmes continuou o seu caminho, se afastando do Sol. Ele voltará em sete anos, quando provavelmente já terá dissipado seu halo brilhante. Assim mesmo estaremos o aguardando, ansiosos pela oportunidade de vivenciar mais uma descoberta espetacular neste maravilhoso universo em que vivemos.  Fim

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

Cometas
Chuvas de meteoros

Publicação em mídia impressa
• Costa, J. R. V. O incrível cometa Holmes. Tribuna de Santos, Santos, 26 nov. 2007. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-2.
Como citar o texto desta página como fonte de sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.