zenite.nu
Carregando...
História - Astronomia do erro

Neith, a misteriosa lua de Vênus

Era o ano de 1672 e Giovanni Domenico Cassini, um dos mais proeminentes astrônomos de seu tempo, relatou ter visto um pequeno astro, em companhia do planeta Vênus. Mas até então Vênus, a exemplo de Mercúrio, não tinha satélites.

Neith, a misteriosa lua de VênusConcepção artística de Vênus (em primeiro plano) e sua lua.

Cassini agiu com prudência e decidiu não anunciar publicamente sua observação. Passaram-se 14 anos até 1686, quando ele viu novamente o misterioso objeto e decidiu falar.

O suposto satélite mostrava-se com a mesma fase que o planeta Vênus e parecia ter cerca de 1/4 de seu diâmetro.

Mais tarde, o misterioso objeto também fora observado por outros astrônomos, como James Short, em 1740, Andreas Mayer, em 1759 e ainda J. L. Lagrange, em 1761, que relatou que o plano orbital do satélite era perpendicular a eclíptica.

Durante o ano de 1761 o objeto foi visto num total de 18 vezes, por 5 diferentes astrônomos. Em junho desse ano ocorreu um trânsito de Vênus, isto é, a passagem de Vênus diante do disco solar… E ele estava em companhia de sua lua!

Nos anos seguintes as observações continuaram. Afinal, não era difícil ver a lua de Vênus. Porém, em 1766, o diretor do Observatório de Viena publicou um artigo onde declarava que todas as observações do suposto satélite não passavam de uma ilusão de ótica – a imagem de Vênus era tão brilhante que refletia no olho do observador, voltando ao telescópio e criando uma imagem secundária em menor escala.

Estrela d'AlvaO planeta Vênus também é chamado de Estrela d’Alva.

Destino misterioso

Em 1884 o diretor do Royal Observatório de Bruxelas, M. Hozeau, sugeriu uma explicação diferente.

Analisando os dados de observações recentes, Hozeau concluiu que o objeto não era uma lua de Vênus, mas um planeta em si, orbitando o Sol em 283 dias, e dessa forma aparecendo próximo a Vênus a cada 1080 dias. Hozeau deu ao objeto o nome de Neith, a misteriosa deusa egípcia dos céus, cujo véu nenhum mortal poderia retirar.

Três anos mais tarde a Academia de Ciências da Bélgica publicou um longo artigo onde cada observação anterior de Neith era analisada em detalhes.

Algumas de fato acabaram se revelando meras estrelas na “vizinhança” de Vênus. Depois disso apenas um outro artigo foi publicado, em 1892. Foi quando E. E. Barnard relatou um objeto de sétima magnitude próximo a Vênus.

Mas não havia nenhuma estrela na posição apontada por Barnard e ele era um excelente observador. Até hoje ninguém sabe o que ele viu. Poderia ser um asteroide não catalogado ou uma estrela nova de vida curta, que ninguém mais observou. Neith nunca mais foi vista.  Fim

 

Vênus, a bela e a fera
A Terra e suas luas

Publicação em mídia impressa
Costa, J. R. V. Neith, a misteriosa lua de Vênus. Tribuna de Santos, Santos, 14 out. 2002. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.
Como citar o texto desta página como fonte de sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.