Astronomia no Zênite
Astronáutica

Brasil no espaço

O Ministério da Aeronáutica já vinha dando atenção à área espacial desde 1961. As primeiras iniciativas foram para o desenvolvimento de pequenos foguetes para sondagens meteorológicas destinados à Força Aérea. O programa espacial brasileiro teve início naquela década.

VLS-1O VLS-1. O Brasil foi um dos primeiros países em desenvolvimento a institucionalizar as atividades espaciais.

Porém, somente muito mais tarde, em 1978 (quase 20 anos depois da formação das primeiras equipes de trabalho), foi aprovada pelo Governo Federal a proposta de realização de um estudo de viabilidade de uma Missão Espacial Completa Brasileira. A Presidência da República, no entanto, daria sua aprovação oficial somente no início da década de 1980.

Finalmente, em 1991, foi criado o atual Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE). Atualmente cabe ao IAE o desenvolvimento do Veículo Lançador de Satélites (VLS) e ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), criado em 1971, o desenvolvimento dos satélites e das estações de solo correspondentes.

Missão

A Missão Espacial Completa Brasileira (MECB) foi um programa integrado visando o projeto, desenvolvimento, construção e operação de satélites de fabricação nacional, a serem colocados em órbitas baixas por um foguete projetado e construído no país e lançado de uma base situada no país.

Originalmente o programa compreendeu o desenvolvimento e operação em órbita de seis satélites, com aplicação direcionada às necessidades do país, sendo três satélites de coleta de dados, dois de sensoriamento remoto e um de comunicações.

O primeiro foi o SCD1, que continua em atividade, tendo superado 10 anos e mais de 67 mil órbitas em torno da Terra. O SCD2 completou 36.952 órbitas em 22 de outubro de 2005, o equivalente a 2.177 viagens de ida e volta à Lua (veja mais no quadro abaixo).

Outro objetivo importante da MECB foi o envolvimento da indústria brasileira. A participação começou com a fabricação de equipamentos de voo, passando ao desenvolvimento de subsistemas compostos e, futuramente, sistemas completos.

Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

Bases de lançamento

O primeiro centro de lançamentos entrou em operação em 1965. O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) situa-se a 5° 55′ de latitude sul e 35° 10′ de longitude oeste, no município de Parnamirim, próximo a Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte.

O nome Barreira do Inferno vem das falésias avermelhadas existentes até hoje no litoral. O CLBI possui estrutura suficiente para dar apoio técnico e operacional para lançamentos de veículos de sondagem, além de servir como estação de rastreio dos veículos lançadores e seus satélites.

CLBI
VISTA PARCIAL DO CLBI  Em primeiro plano a
casamata, de onde os técnicos podem assistir o lançamento dos foguetes de sondagem.

A impossibilidade de expansão do CLBI em função do crescimento urbano de Natal foi um dos fatores que levou à realização de estudos para definição de um local mais adequado para a construção de mais uma base de foguetes.

Assim, durante a década de 1980, foi criado o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), localizado na península de Alcântara, estado do Maranhão, a apenas 2° 18′ ao sul do equador (e 44° 22′ de longitude oeste).

Sua posição privilegiada possibilita aproveitar o máximo do movimento de rotação da Terra para impulsionar veículos orbitais, permitindo com isso grande economia de combustível, (estima-se uma vantagem entre 13% e 31% em relação a bases de lançamento como Cabo Canaveral, nos Estados Unidos, e Baikonur, no Cazaquistão).

Continue lendo…

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

Astronomia no Brasil
O firmamento como símbolo nacional

Publicação em mídia impressa
Costa, J. R. V. A missão espacial brasileira. Tribuna de Santos, Santos,15 jul. 2002. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.
Como citar o texto desta página como fonte de sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.