Astronomia no Zênite
Curiosidades - A bandeira do Brasil

Apreciação filosófica

A pedido de Rui Barbosa, Ministro da Fazenda em 1889, Teixeira Mendes escreveu para o Diário Oficial sua “Apreciação Filosófica”, um longo texto onde descrevia o modo como ele próprio entendia a bandeira que criara. Abaixo reproduzimos o trecho em que se refere às estrelas.

“Figurou-se a esfera inclinada segundo a latitude do Rio de Janeiro, e assinalou-se o polo Sul pelo sigma do Oitante, que se tornou o símbolo natural do município neutro.

Escolheram-se constelações austrais, com exceção do Pequeno Cão, que forneceu Prócion para significar que a União brasileira tem um Estado que se estende ao hemisfério Norte. Esta constelação fica ao norte do Equador e ao sul da Eclítica.

As outras constelações escolhidas foram, além da do Cruzeiro, convenientemente destacada, o Triângulo Austral, o Escorpião, a Virgem (Espiga), Argos (Canopo) e o Grande Cão (Sírio).

A Virgem tem parte no hemisfério Norte e parte no hemisfério Sul, estendendo-se aquela acima da Eclítica. A sua estrela mais brilhante, a Espiga, pertence ao nosso hemisfério, e a essa estrela está ligada a memória da descoberta da precessão dos equinócios pelo fundador da astronomia, o imortal Hiparco. Ela não podia, pois, deixar de ser escolhida. Na bandeira ela está figurada acima da eclítica, apenas para quebrar a monotonia do hemisfério boreal.

Prócion, que é única estrela das escolhidas que está no hemisfério Norte, não podia ser colocada acima da Eclítica, porque a constelação está ao sul dessa linha.

A liberdade estética, pelo contrário, permitia colocar Espiga acima da faixa representativa do zodíaco, por se tratar de uma constelação que tem parte acima e parte abaixo do plano da órbita terrestre, e de uma estrela que bastaria uma pequena variação da inclinação desse plano para transportá-la ao norte dele. Mas ela foi representada junto a faixa.”

Originalmente, a bandeira continha estrelas das constelações do Cruzeiro do Sul, Escorpião, Cão Maior, Cão Menor, Virgem, Triângulo Austral, Argus e Oitante. Com a inclusão de novos estados, foi também acrescentada Hidra Fêmea. Carina é o casco do navio Argus, cuja Vela e Popa, também são constelações em separado, mas não estão na bandeira.

Continue lendo…

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
Referências (fontes consultadas)
Coimbra, R. O. A Bandeira do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1972. 502 p.
Publicação em mídia impressa
Costa, J. R. V. O firmamento como símbolo nacional. Tribuna de Santos, Santos, 25 nov. 2002. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.
Como citar o texto desta página como fonte de sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.