Surfshark
Astronomia no Zênite
Astronáutica - Os pioneiros

À luz de uma lua vermelha – 4ª Parte

 Final

Finalmente, em 21 de fevereiro, e após anos de testes e alterações no desenho original, tudo estava pronto para o lançamento inaugural do gigantesco N1. O veículo 3L voou 66s quando um incêndio no primeiro estágio ativou o sistema de emergência que retirou a cápsula L1 do lançador, que foi destruído pelo controle de voo.

Em 3 de julho de 1969, 13 dias antes da Apollo 11, deu-se o lançamento do segundo N1. Mas os resultados deste lançamento seriam ainda piores. Nove segundos após a ignição, e a 200 metros do solo, ocorre uma explosão num dos motores.

O lançador cai sobre a plataforma de lançamento, que é completamente destruída por uma gigantesca explosão que provoca também estragos na plataforma nº 2, a 500 metros, e no modelo do N1 que ali se encontrava.

Desastre do N1-5L
A CIA logo teve conhecimento do desastre do N1-5L através de imagens de satélite como esta, onde ficam evidentes os consideráveis danos provocados pela explosão do foguete sobre a plataforma de lançamento. Clique na imagem para ampliar.

A derradeira esperança soviética viajava com a Luna 15, lançada em 13 de julho. Ela deveria regressar à Terra com amostras do solo lunar antes dos americanos.

Mas no dia 16 de julho de 1969 era lançada a Apollo 11 e os astronautas Neil Alden Armstrong e Edwin Eugene Aldrin tornam-se os primeiros seres humanos a caminhar na superfície de um outro mundo. O sistema de alunissagem da Luna 15 falha e a sonda se despedaça… a União Soviética perdera a corrida para a Lua.

Depois da Lua

Humilhados no regresso da Apollo 11, os soviéticos viviam uma época onde tudo parecia correr mal, bem ao contrário dos primeiros anos da Corrida Espacial. O N1 encontrou-se à beira do abismo quando se tornou evidente que seriam necessários dois anos para reparar a plataforma destruída no último lançamento.

No entanto a influência de Mishin junto dos dirigentes soviéticos ainda era forte e foi ordenado que preparasse um programa lunar mais avançado. Se os soviéticos não foram os primeiros na Lua, então seriam os melhores.

Após mais três fracassos, a Luna 16, lançada em 12 de setembro de 1970 torna-se a primeira sonda a regressar à Terra com algumas gramas de solo do Mar da Fertilidade.

Em seguida seria a vez da Luna 17, lançada em 10 de outubro de 1970, e que colocou na Lua o primeiro veículo automático, o Lunakhod-1, que funcionou durante nove meses e percorreu quase 11 km.

Continuando a negar a existência do programa de exploração tripulado da superfície lunar, a União Soviética declarava agora que o seu programa de exploração automática lunar era muito menos dispendioso e menos arriscado do que o programa Apollo.

Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu

O fim do caminho

Tanto nos Estados Unidos quanto na União Soviética, os programas lunares tripulados terminaram em 1973. A missão Apollo 17 fora a última missão Apollo em Dezembro de 1972 (os voos da Apollo 18, Apollo 19 e Apollo 20, há muito que haviam sido cancelados como forma de economizar fundos e porque a opinião pública já não prestava atenção aos voos lunares).

As sondas Luna conseguiram alguns feitos importantes: a 28 de setembro de 1971 é lançada a Luna 19, que traz amostras do solo lunar. Em 8 de janeiro de 1973 é lançada a Luna 21, que colocava na superfície lunar o segundo veículo Lunakhod. Em 29 de maio de 1974 era lançada a última sonda, Luna 22.

Mishin ainda prosseguia com os seus planos e dois novos N1 foram construídos. O veículo 8L deveria ser lançado em agosto de 1974 e o veículo 9L no final desse mesmo ano. Se essas missões fossem bem sucedidas, o veículo 10L deveria ser usado para colocar o primeiro cosmonauta na Lua.

O módulo lunar LK seria utilizado para transportar um único cosmonauta até à superfície lunar. Tal como o americano, o cosmonauta permaneceria de pé durante a descida até à superfície.

Mas os planos nunca se concretizaram. À medida que os fracassos iam surgindo, a pressão e as críticas sobre Mishin iam subindo de tom. Em Maio de 1974, Valentin Glushko, rival de Korolev, toma o lugar de Mishin. Glushko de imediato suspende o programa lunar de Mishin e apresenta o seu plano para uma colônia lunar.

Pouso soviético na Lua. Concepção artística.
O POUSO soviético na Lua que nunca aconteceu. Concepção artística.

No período de 1974 a 1976 desenvolve o projeto de um novo lançador pesado, o Vulkan, que usaria oxigênio e hidrogênio líquidos como combustíveis, tal como Korolev pretendia em 1962.

Glushko planejou também um novo rover lunar capaz de transportar cosmonautas através da superfície da Lua. Mas nem o governo nem os militares soviéticos estavam interessados nos planos de Glushko, considerando o ônibus espacial americano como uma ameaça maior.

É desta forma que Glushko é destacado para desenvolver o projeto do lançador Energiya a partir do Vulkan, e que seria usado para lançar o ônibus espacial soviético e outras cargas pesadas. A última sonda lunar soviética, a Luna 24, seria lançada no dia 9 de agosto de 1976.

Conclusões

Se o N1 tivesse sido bem sucedido os foguetes provavelmente teriam se chamado Lenin ou Kommunism, mas o projeto desapareceu quase sem deixar vestígios.

Peças dos foguetes foram utilizadas na construção de edifícios, armazéns e hangares no Cosmódromo de Baikonur. As plataformas de lançamento e os veículos de integração e transporte foram utilizadas com os foguetes Energiya, e agora apodrecem em Baikonur.

No Programa Apollo foram gastos 24 bilhões de dólares, enquanto que os programas L1 e L3 somente receberam 4,5 bilhões de dólares.

O programa lunar foi vítima da falta de cooperação entre diferentes centros de desenvolvimento, da deficiente avaliação da importância do desafio do presidente Kennedy, e das tremendas dificuldades técnicas que envolvem o envio de seres humanos à Lua.

A falta de exaustivos testes no solo e a fraca gestão entre as mais de 500 companhias e os 26 centros governamentais de desenvolvimento espacial, contribuíram decididamente para o fracasso.

A principal razão técnica para o fracasso do N1 deve-se à incapacidade de atingir uma boa confiabilidade e estabilidade entre os 30 motores do seu primeiro estágio.

A União Soviética perde a corrida para a Lua porque avaliou mal as intenções e os recursos dos Estados Unidos, mobilizou os seus próprios esforços demasiado tarde e falhou no controle das diferentes escolas de desenhadores, projetistas e construtores de foguetes e veículos espaciais. Artigo de Astronomia no Zênite

GOSTOU DO ARTIGO? COMPARTILHE!    
PUBLICIDADE
Este website não tem fins lucrativos, sendo mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando o seu bloqueador de anúncios para www.zenite.nu
 

O fabuloso N1
Missões espaciais

Créditos: Barbosa, R.C. À luz de uma lua vermelha - 4ª Parte (Final) Final. Astronomia no Zênite, jul. 2007. Disponível em: <https://www.zenite.nu/a-luz-de-uma-lua-vermelha-4>. Acesso em: 19 set. 2021.
Como citar esta página como uma fonte da sua pesquisa

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT, a forma indicada para mostrar que você pesquisou o artigo contido nesta página é:

 

As referências bibliográficas são importantes não apenas para dar crédito aos autores de suas fontes, mas para mostrar a sua habilidade em reunir elementos que constroem uma boa pesquisa. Boas referências só valorizam o seu trabalho.