Planeta água

Terra

Nosso planeta visto à distância da Lua. Foto: JAXA.

Vivemos no terceiro planeta a partir do Sol. Visto do espaço nosso mundo é um singelo ponto de luz azulada. Nem parece que todas as pessoas de que já ouvimos falar e suas realizações estão somente ali. Foi graças à transparência de nossa atmosfera que pudemos contemplar o firmamento e aprender com ele – sobre nós mesmos.

Mas há um outro universo belo e misterioso como o próprio céu – e ao alcance de nossos pés. Um vasto manto de água salgada cobre mais de 70% de toda a superfície desse mundo, que apenas pela conveniência humana passou a ser chamado de Terra.

Vivemos no fundo de um oceano de ar (nossa atmosfera) e às margens de um oceano líquido, muito mais denso, turvo e desafiador. Não conseguimos transpassá-lo com um simples olhar, como fazemos ao descobrir algumas maravilhas do universo do quintal de nossas casas. Nossa origem, nossa história e nossa vida, porém, está profundamente ligada aos mares.

POR QUE ÁGUA?

Não há como negar que a água é uma das substâncias mais notáveis da natureza – independente de ser indispensável para nós. A capacidade calorífica da água faz com que absorva e armazene grandes quantidades de calor. A água dissolve mais substâncias que qualquer outro líquido e, ao contrário do que poderíamos pensar, sua existência no estado líquido é excepcional, já que a maior parte da matéria do Universo está na forma de gases e sólidos.

Água e fogo
BEM ABAIXO DE NOSSOS PÉS EXISTE ainda um outro mar, mil vezes mais terrível que o pior pesadelo de um marujo. Elementos radioativos transportados para as profundezas do planeta durante sua formação são a principal fonte de calor dos oceanos de lava que percorrem furiosos as entranhas deste aparentemente sólido planeta Terra.

A espessura da crosta sólida em que se passam nossas vidas não tem mais que uns 5 km de espessura no fundo dos oceanos, e algumas dezenas de quilômetros nos continentes. É como se vivêssemos orgulhosos sobre uma casca mais fina que a de uma maça comparada ao restante da fruta.

Terra: uma biografia. Imagem de um documentário do National Geographic Channel.
INFERNO  Alguns quilômetros abaixo do chão (em alguns lugares, bem menos que isso) existe rocha fundida que, quando expelida pelos vulcões, dá origem à lava. Vivemos na camada mais fina, fria e externa do planeta: a crosta. Imagem: National Geographic Channel.

Boa parte dos gases vulcânicos contém vapor d’água e as condições de pressão e temperatura da Terra fizeram-no passar para o estado líquido. Pelo menos em parte foi assim que pouco a pouco as depressões da antiga crosta terrestre se transformaram no berço dos oceanos, há mais de 3,5 bilhões de anos.

O desenvolvimento da vida na Terra se deve a uma faixa de pressões e temperaturas favorável à química dos compostos de carbono e, sem dúvida alguma, à abundância de água no estado líquido, rigorosamente indispensável à vida tal qual a conhecemos. Cada um de nós é uma prova viva da importância da água. Nossos corpos contêm 2/3 desse líquido. Sem água não existiríamos.

Ao sabor da maré
A ÁGUA LÍQUIDA EXERCE AÇÕES FÍSICAS IMPORTANTES NO MUNDO. As chuvas erodem o solo e a água se infiltra nele, dissolvendo e alterando os minerais. Mais profundamente, a água alimenta os lençóis subterrâneos e as nascentes dos rios. O pesado rio Amazonas, por exemplo, que supera o Nilo tanto em volume de água quanto em extensão, chega a influenciar a gravidade terrestre.

Rio Amazonas
MAIOR RIO DA TERRA em volume e extensão, o Amazonas tem pouco mais da metade de seu comprimento em território brasileiro. Nasce ao sul do Peru e deságua no oceano Atlântico, ao norte do Brasil, sendo navegável em toda sua extensão. Foto: Jorge Araújo (Folhapress).

A profundidade média dos oceanos é de 3,6 km. Todos eles estão interligados formando uma grande massa global de água, para a qual os continentes não passam de ilhas. Os oceanos em movimento criam “protuberâncias” correspondentes aos estados da maré, produzidos pela ação gravitacional conjunta da Lua e do Sol (veja o vídeo a seguir).


FORÇAS DE MARÉ  Esta animação (fora de escala e exagerada para melhor clareza) mostra como a força gravitacional da Lua se soma a do Sol para produzir a alternância diária dos fluxos de maré.

A fricção das águas com o fundo dos oceanos reduz a velocidade de rotação da Terra, prolongando a duração do dia em um milésimo de segundo a cada 50 anos. É o planeta água seguindo seu curso no espaço, como uma garrafa boiando ao sabor das correntes marítimas. Dentro dela a história de cada um de nós.  Fim


Terra seca Mas… A Terra é mesmo um “planeta água”?

A gravura ao lado exibe três esferas azuis sobre a Terra seca (clique na imagem para ampliar). A maior representa toda água líquida do mundo. Água dos oceanos, calotas polares, rios, lagos, água no subsolo, na atmosfera e nos corpos de todos os organismos vivos. Inclusive o seu. É uma esfera de 1.384 km de diâmetro e 1.386.000.000 km³ em volume.

A esfera seguinte tem toda água doce no estado líquido disponível. É a quantidade de água que os seres vivos dispõem para sobreviver (contida nas águas subterrâneas, lagos, pântanos e rios). Essa esfera tem 272,8 km de diâmetro ou 10.633.450 km³. Cerca de 99% dessa água está no subsolo, e a maior parte não é acessível para os seres humanos.

Por fim, a esfera menor, com apenas 56,2 km de diâmetro e um volume de 93.113 km³. É toda água doce contida em rios, lagos e mananciais por todo planeta ─ e utilizada para as necessidades humanas.

 

A Terra em números  
Sistema Terra – Lua

» Publicação em mídia impressa:
• Costa, J. R. V. Planeta água. Tribuna de Santos, Santos, 20 set. 2004. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-2.

» Como usar o texto desta página na sua pesquisa? show