O evento Tunguska

Tudo aconteceu há 109 anos. O amanhecer daquele dia de verão nas margens do rio Podkamennaya Tunguska, na Sibéria, parecia igual a qualquer outro. Os primeiros raios de Sol aqueciam brandamente a floresta boreal, com seus pinheiros silvestres e charcos úmidos, quando o céu explodiu e a terra sentiu sua fúria.

Por volta das 7h15 da manhã daquele 30 de junho de 1908 uma onda de choque quase mil vezes mais forte que a bomba de Hiroshima devastou 80 milhões de árvores em mais de 2.000 km² de floresta. Renas, ursos, lobos, raposas e milhares de outros animais tombaram junto com a vegetação, que até hoje não se recompôs inteiramente.

Evento Tunguska
“O CÉU SE PARTIU EM DOIS.  Uma bola de fogo penetrou na floresta. De onde o fogo se alastrava vinha um forte calor. Então o céu se fechou e um estampido surdo se espalhou, e eu fui arremessado a alguns metros de distância. Depoimento de uma testemunha ocular situada a 65 km do epicentro.

Céu incandescente
A EXPLOSÃO DE TUNGUSKA FOI O MAIOR IMPACTO que a Terra sofreu em toda a história do homem civilizado. Eventos parecidos, mesmo em épocas mais remotas, permaneceram desconhecidos até o advento dos satélites artificiais.

Ainda que o epicentro estivesse despovoado, pessoas em centenas de lugares da Ásia e Europa testemunharam o ocorrido. Os relatos eram extraordinários. Fortes ondas de calor, ventanias intensas, estrondos pavorosos e tremores de terra foram reportados. Muitos viram uma bola de fogo e sua cauda esfumaçada se precipitando no horizonte.

O céu noturno ficou incandescente por semanas, tal a quantidade de poeira jogada na estratosfera com a explosão. Em Londres, a mais de 10.000 km, era possível ler um jornal à noite, somente com essa luz. Do outro lado do oceano, o observatório norte-americano Smithsonian registrou uma diminuição na transparência atmosférica que durou meses.

Diagrama em escala
COMPARE  Área destruída em Tunguska: 2.000 km²
Área do município de São Paulo: 1.509 km²
Área da Grande São Paulo: 8.051 km²

Hipótese espetacular
O QUE ACONTECEU? É claro que houve muita curiosidade tanto de leigos quanto cientistas. Mas a primeira expedição a examinar a região partiu com mais de uma década de atraso, em 1921. Na ocasião, o geólogo soviético Leonid Kulik não conseguiu alcançar o local exato, e deduziu que o evento foi devido à queda de um grande meteorito.

Expedição ao rio Tunguska

O ISOLAMENTO E O CAOS político da Rússia no início do século XX foram causas do atraso das expedições para a região do rio Tunguska, no século passado.

Essa hipótese acabou persuadindo o governo soviético a financiar outra expedição em 1927, atraído pela possibilidade de encontrar um meteorito ferroso, de valor comercial. Mas nenhuma cratera foi encontrada; muito menos um meteorito. Outras expedições confirmaram essa ausência.

Calculou-se que a magnitude da explosão ficou entre 10 e 15 milhões de toneladas dinamite. Mas o objeto que a causou não tocou o solo, espatifando-se em pleno ar, a cerca de 8 km de altura.

Até hoje o evento semelhante mais intenso aconteceu em 1930 sobre o rio Coruça, no Amazonas, tendo atingido no máximo a energia de um milhão de toneladas de dinamite.

Afastada a suposição de um meteorito, mas levando em conta os relatos da bola de fogo, surgiu uma hipótese ainda mais espetacular – e mais provável: em 1908, um pedaço de cometa se chocou com a Terra.

Tunguska
UMA FOTO RECENTE (colorida) ainda mostra vestígios notáveis da devastação. As imagens em preto e branco foram obtidas durante as expedições da década de 1920, mais de 20 anos depois do evento.

Cometa ou asteroide
UM COMETA É FORMADO PRINCIPALMENTE DE GELO. Gelo de água e um pouco de metano e amônia. Chocando-se com a atmosfera terrestre um fragmento cometário não muito grande se volatilizaria antes de tocar o solo, e assim mesmo seria capaz de produzir uma bola de fogo radiante e uma poderosa onda de choque e calor, que arrasaria a superfície sem deixar uma cratera de impacto.

Os únicos vestígios no solo seriam micro diamantes e pequenas esferas de vidro (sílica), com alta concentração de irídio e níquel, o que comprovaria a origem extraterrestre. Expedições enviadas a Tunguska a partir de 1950 encontraram precisamente esses indícios.

Bem mais recentemente, em 2007, Mark Boslough e seu grupo do Sandia National Laboratories utilizou pela primeira vez supercomputadores para simular em três dimensões o evento Tunguska. A estratégia resultou num quadro inteiramente novo. E assustador.

Antes, supunha-se que um pedaço de cometa do tamanho de um campo de futebol, pesando um milhão de toneladas e movendo-se a 108.000 km/h teria causado da explosão. Porém, as simulações sugerem que um pequeno asteroide teria o mesmo efeito.

Simulação
SUPERCOMPUTADORES  e novas expedições tratam de entender o misterioso evento Tunguska. Veja mais animações disponíveis.

O bólido seria cada vez mais comprimido pela crescente resistência da atmosfera terrestre (animação acima), até o ponto em que explodiria no ar, produzindo um violentíssimo fluxo de gás aquecido que continuaria o caminho até o chão. As estimativas agora situam entre 3 e 5 milhões de toneladas dinamite a energia suficiente para causar a onda de choque de Tunguska.

CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS
NAVE ALIENÍGENA
Em 1946, o engenheiro e escritor de ficção científica Alexander P. Kazantsev propôs que a explosão de Tunguska teria sido causada por uma nave alienígena com propulsão nuclear. Em pouco tempo sua ideia se tornou tão popular que passou de ficção à teoria, ganhando adeptos até hoje – mesmo que jamais tenham sido encontrados vestígios materiais ou radioatividade no local.
ANTIMATÉRIA
E se um pedaço de antimatéria vindo do espaço fosse a causa do evento? Matéria e antimatéria se aniquilam mutuamente, com grande liberação de energia. No entanto, essa hipótese não leva em consideração os detritos minerais encontrados no local. Além disso, não há evidências de pedaços de antimatéria vagando em nossa vizinhança. Se existissem, produziriam constantemente raios gama; mas as emissões detectadas provêm de outras fontes.
MINI BURACO NEGRO
Em 1973, os físicos Albert A. Jackson e Michael P. Ryan propuseram que a explosão em Tunguska teria sido provocada pela passagem de um pequeno buraco negro pela Terra. A hipótese falha porque não existe um evento similar de “saída”, como seria esperado, nem foi detectado nenhum tipo de distúrbio no manto terrestre.
BOMBA-H NATURAL
E se um cometa com uma concentração anômala de deutério (água “pesada”) desencadeasse uma explosão nuclear ao penetrar em nossa atmosfera? O problema é que isso é inconsistente com o nosso conhecimento sobre os cometas, além de não prover as condições de pressão e temperatura necessárias para uma ignição nuclear.

Localização do evento Tunguska

O ESTUDO DO EVENTO TUNGUSKA é essencial porque colisões no passado já provocaram efeitos importantes na evolução da Terra. Veja imagens de satélite da zona de impacto no Google Earth usando as coordenadas 60 54' 59,98''N 101 56' 59,98''E.

Perspectiva sombria
O ESTUDO DO LABORATÓRIO Sandia melhora nossa imagem sobre o mecanismo da explosão, mas também faz um alerta. O número de asteroides potencialmente perigosos é muito maior que o de cometas. Seja o que for, a possibilidade de acontecer de novo exige a elaboração de uma boa estratégia de defesa.

Devido à rotação da Terra, se a colisão de Tunguska tivesse ocorrido cerca de 4 horas e meia mais tarde, a cidade de São Petersburgo, antiga capital do império russo, teria sido varrida do mapa para sempre.

Há 100 anos a população mundial ainda beirava 1½ bilhão de habitantes. Hoje somos 7 bilhões, ocupando muito mais espaço, principalmente nas áreas costeiras. O potencial destrutivo de um novo Tunguska é incalculavelmente maior. Pior ainda se ocorrer sobre o mar, por causa dos terríveis tsunamis que provocaria. E a pergunta que devemos fazer não é se pode acontecer de novo, mas quando.  Fim

 

Alvo Terra
Enquanto Apófis não vem
Cometas: os astros travessos

» Referências (fontes consultadas):
• Gasperini, L.; Bonatti, E.; Longo, G. O mistério persistente de Tunguska. SciAm Brasil, n.74, 2008, p.58-63.
• 1908 Siberia explosion. In: Planetary Science Institute. Disponível em . Acesso em 27 jun 2008.
• Sandia supercomputers offer new explanation of Tunguska disaster. In: Sandia - newsroom. Disponível em . Acesso em 27 jun 2008.
• Tunguska event. In: NASA - Our Solar System. Disponível em . Acesso em 26 jun 2008.
• Tunguska event. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. Disponível em . Acesso em 26 jun 2008.

» Publicação em mídia impressa:
• Costa, J. R. V. A explosão de Tunguska. Tribuna de Santos, Santos, 30 jun. 2008. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-2.

» Como usar o texto desta página na sua pesquisa? show