Nêmesis, a estrela da morte

Embora não seja possível determinar quantas estrelas duplas existem na nossa galáxia, os astrônomos arriscam um limite inferior. Cerca de três em cada quatro estrelas da Via Láctea possuem uma companheira orbital. O nosso Sol é uma das poucas isoladas. Uma afirmação que só permanece válida dentro dos limites dos instrumentos que possuímos.

E se estivermos enganados? Não é difícil imaginar uma pequena estrela percorrendo lentamente uma órbita muito alongada em torno do Sol, de modo que dele não se aproxima menos que 20.000 UA, afastando-se até 90.000 vezes essa distância.

Não seria muito luminosa, tampouco maciça, caso contrário já teria sido notada através dos telescópios na Terra ou das oscilações que provocaria no Sol. Seria um tipo de estrela conhecida pelos astrônomos como anã marrom. Estaria, no presente, no ponto mais afastado de sua órbita, cujo período teria não menos que 26 milhões de anos.

As sementes do caos
CADA VEZ QUE ESTIVESSE MAIS PRÓXIMA do Sol, a força gravitacional da estrela anã já seria o bastante para perturbar severamente as órbitas dos pequenos corpos de gelo e rocha que, aos bilhões, gravitam muito além de Plutão formando um gigantesco ninho de cometas conhecido como nuvem de Oort.

O desequilíbrio na nuvem de cometas faria com que milhares deles fossem atraídos em direção ao centro do Sistema Solar, onde alguns fatalmente encontrariam pelo caminho pequenos e frágeis mundos, como a Terra.

Barringer Crater
A CRETERA do Arizona foi provocada por um meteorito que caiu há 60.000 anos.

Mas onde estariam as marcas de tais impactos? Não é fácil encontrá-las na Terra. O movimento das placas tectônicas já destruiu um número sem fim de crateras. Os períodos glaciares aplanaram tantas outras. Os ventos e as chuvas vão desgastando a beira das crateras, arrastando o solo das encostas para o centro.

Assim mesmo ainda existem cerca de 100 crateras, embora a idade de todas elas não possa ser determinada com precisão. Se a Terra preservasse suas crateras, certamente seria tão esburacada quanto a Lua ou Mercúrio. E como a Lua não está sujeita aos processos erosivos que ocorrem aqui, nosso satélite é a melhor evidência de impactos violentos periódicos. E tais evidências, de fato, existem.

Nêmesis
A HIPOTÉTICA COMPANHEIRA DO SOL foi sugerida pela primeira vez em 1985 por Whitmire e Matese, que a batizaram de Nêmesis, a deusa da vingança. Seria até mesmo possível que esta “estrela da morte” já estivesse presente em algum catálogo estelar, sem que ninguém tivesse notado algo incomum.

Extinções

Gráfico do ciclo das extinções em massa. Clique para ampliar.

Entre os defensores da existência de Nêmesis estão geólogos que apostam que a cada 26 ou 30 milhões de anos ocorrem extinções em massa da vida na Terra, paralelamente ao surgimento de uma grande cratera de impacto (ou várias delas).

Registros geológicos de fato indicam uma enorme cratera de impacto no mar do Caribe, com 65 milhões de anos, do final do período cretáceo, coincidindo com o fim do reinado dos dinossauros.

Esse evento teria aberto caminho para que nossos antepassados mamíferos tomassem conta do planeta e nossa própria espécie pudesse evoluir. Um ou mais cometas teria atingido a Terra, argumentam, envolvendo-a numa nuvem de poeira durante meses.

Ainda em apoio à hipótese Nêmesis, os dados enviados pelo satélite IRAS (Infra-Red Astronomical Satellite), que permaneceu 10 meses em órbita no ano de 1983, revelaram um número altíssimo de objetos celestes até então desconhecido, muitos dos quais mudaram de posição nesse curto período de tempo, indicando que estavam relativamente próximos.

As características físicas e orbitais de Nêmesis justificariam o fato dela ainda não ter sido descoberta. Embora os mesmos dados do IRAS revisados e analisados com mais profundidade, além de observações mais recentes, parecem contestar a existência de qualquer objeto celeste que possa se enquadrar como Nêmesis.

Para Richard A. Muller, da Universidade da Califórnia, Nêmesis poderia ser uma estrela anã vermelha, muito comum em nossa galáxia – e seria visível através de um binóculo ou pequenos telescópios! Como? Há cerca de 3.000 estrelas desse tipo já catalogadas, mas suas distâncias não são conhecidas.

Muller acredita que a órbita de Nêmesis varia entre 1 e 3 anos-luz em torno do Sol (a estrela conhecida mais próxima é Proxima Centauri a 4,25 anos-luz). E assim mesmo a órbita de Nêmesis não seria usual, afirma Muller.

Órbita de Nêmesis
DESCUBRA como poderia ser a órbita de Nêmesis. Clique na imagem acima.

Hipótese remota
TAMBÉM EXISTEM ASTRÔNOMOS que pensam que a órbita sugerida para Nêmesis seria demasiado instável para permitir que a estrela regressasse tantas vezes. Eles imaginam que a estrela da morte, se algum dia chegou a existir, deve ter desaparecido no espaço profundo há muito tempo ou foi despedaçada pelo Sol.

Há geólogos que afirmam que o surgimento regular de vulcões poderia imergir a Terra em meses de escuridão, levando a extinção de muitas espécies. A respeito de Nêmesis, um paleontólogo, Dewey McLean, chegou a declarar que “a ciência enlouquecera de vez”.

No início de 2005, Varun Bhalerao e M. N. Vahia (do Instituto de Tecnologia da Índia) publicaram um trabalho onde procuravam mostrar que nenhuma anã-vermelha companheira do Sol poderia existir num raio de 25 mil Unidades Astronômicas (cerca de 40% de um ano-luz) ou já teria sido descoberta. O mesmo valeria para uma estrela anã-marrom com várias massas de Júpiter.

Recentemente, entre 2010 e 2011, o satélite Wise, da NASA, fez a varredura mais completa já realizada das cercanias do Sistema Solar. Ela operou no infravermelho, buscando identificar objetos menos brilhantes, como um planeta ou uma estrela fraca e distante, girando em volta do Sol. O Wise chegou a catalogar mais de 750 milhões de objetos, de pequenos asteroides a galáxias distantes.

Uma dupla de anãs marrons a cerca de 6,5 anos-luz chegou a ser identificada. Mas nenhuma estrela, por menor que seja, ligada ao Sol. O Sistema Solar exterior provavelmente não contém um planeta gigante gasoso ou uma pequena estrela companheira do Sol. A hipótese Nêmesis parece cada vez mais improvável.  Fim

 

Unidades astronômicas
O fantástico planeta X

» Publicação em mídia impressa:
• Costa, J. R. V. Nêmesis, a estrela da morte. Tribuna de Santos, Santos, 2 set. 2002. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.

» Como usar o texto desta página na sua pesquisa? show