História das constelações ocidentais

As constelações mais antigas surgiram entre os povos da Mesopotâmia, há quatro mil anos. Tudo indica que eram utilizadas como orientação nas atividades agrícolas e náuticas.

Pertence a Claudio Ptolomeu (127-145 EC) um dos mais importantes catálogos estelares, o Almagesto, uma fabulosa obra composta por 13 volumes e onde estão relacionadas 1022 estrelas de 48 constelações, sendo 12 zodiacais, 21 ao Norte e 15 ao Sul, inclusive as quatro estrelas principais do Cruzeiro do Sul, na época pertencentes à constelação do Centauro.

As 48 constelações relacionadas por Ptolomeu no Almagesto
Andrômeda
Aquário
Águia
Altar
Navio
Carneiro
Cocheiro
Boieiro
Caranguejo
Cão Maior
Cão Menor
Capricórnio
Cassiopéia
Centauro
Cefeu
Baleia
Coroa Austral
Coroa Boreal
Corvo
Taça
Cisne
Delfin
Dragão
Cavalo Menor
Erídano
Gêmeos
Hércules
Hidra Fêmea
Leão
Lebre
Balança
Lobo
Lira
Ofiúco
Órion
Pégasus
Perseu
Peixes
Peixe Austral
Flecha
Sagitário
Escorpião
Serpente
Touro
Triângulo
Ursa Maior
Ursa Menor
Virgem

Parte do catálogo de Ptolomeu foi baseado no de Hiparco, elaborado quatro séculos antes de Cristo. Foi Hiparco quem introduziu o conceito de grandeza, associado ao brilho (e não às dimensões) das estrelas.

Ele chamou as estrelas mais luminosas de “primeira grandeza”, assim prosseguindo até as menos brilhantes, no limite da visibilidade humana, chamadas por Hiparco de estrelas de “sexta grandeza”.

Almagesto

O Almagesto, de Ptolomeu.

Magnitudes e novas constelações
Ptolomeu adotava o mesmo sistema, usando o termo magnitude em vez de grandeza. Bem mais tarde, no século XIX, descobriu-se que os sentidos humanos respondem aos estímulos de modo não linear.

No caso do brilho das estrelas, isto significa que para se ter a mesma sensação provocada pelo brilho de uma estrela de primeira grandeza seriam necessárias 2,5 estrelas de segunda grandeza ou 2,5 × 2,5 = 2,5² estrelas de terceira grandeza ou ainda 2,5³ estrelas de quarta e assim por diante. Esta é a semente do conceito moderno de magnitude.

A época das Grandes Navegações deu início a um conhecimento mais amplo das partes do céu ao Sul, onde viviam os povos que criaram as constelações mais antigas.

O astrônomo dinamarquês Tycho Brahe (1546-1601) catalogou Cabeleira de Berenice, uma constelação citada por Eratóstenes, no século III AEC. Um ano depois, o astrônomo holandês Johannes Bayer (1572-1625) relacionou 60 constelações, incluindo as circumpolares Sul, em sua obra Uranometria.

Bayer ainda estabeleceu que as estrelas de cada constelação fossem designadas por letras do alfabeto grego: Alfa () para a mais brilhante, Beta () para a segunda mais brilhante e assim por diante. Nem sempre esse conceito se aplica.

As 12 constelações acrescentadas por Bayer em Uranometria
Ave-do-Paraíso
Camaleão
Dourado
Grou
Mosca
Triângulo Austral
Hidra Macho
Pavão
Fênix
Índio
Tucano
Peixe Voador

A contribuição de Tycho Brahe
Cabeleira de Berenice

Mais tarde, em 1690, o astrônomo amador Johannes Höwelcke (1611-1687), conhecido pelo nome latino Hevelius, nomeou mais nove constelações na obra “Sete Cartas Celestes”.

 Advertisement
 

Em 1697 o arquiteto do rei Luís XV, Augustin Royer, desmembrou a Crux Australis da constelação do Centauro e a partir daí surgiu nas cartas celestes, oficialmente, a constelação do Cruzeiro do Sul. Bartschius, em 1624, nomeou a constelação da Pomba.

As 9 constelações relacionadas por Hevelius em Sete Cartas Celestes
Girafa
Cães de Caça
Lagarto
Leão
Menor Lince
Unicórnio
Escudo
Sextante
Raposa

As 2 constelações acrescentadas por Royer e Bartschius
Cruzeiro do Sul
Pomba

Argos

Antes de Lacaille, Argos era a maior constelação do firmamento.

As constelações modernas
Quem mais influiu na criação de novas constelações foi, sem dúvida, o abade francês Nicolas-Louis Lacaille (1713-1762).

Em 1751 ele viajou até o Cabo da Boa Esperança, no sul da África, onde permaneceu por alguns anos para estudar o firmamento austral. Como resultado, introduziu 14 novas constelações, homenageando as ciências e algumas obras do gênio humano.

Lacaille também dividiu Argos, o navio, em quatro constelações menores, pois seu tamanho a tornava pouco útil como referência. Fixavam-se assim, as 88 constelações conhecidas pela cultura ocidental.

As 14 constelações descritas por Lacaille em Memórias e Céu Estrelado
Máquina Pneumática
Buril
Compasso
Forno
Relógio
Mesa
Microscópio
Esquadro
Oitante
Pintor
Bússola
Retículo
Escultor
Telescópio
 

A divisão da constelação de Argus*
Quilha
Popa
Vela
* excluindo Bússola


Continue lendo…

 

Lista das 88 constelações
O círculo dos animais

» Como usar o texto desta página na sua pesquisa? show