Doze homens e uma conspiração – 5

Alan Shepard

ALAN SHEPARD, O 5º HOMEM

Alan Bartlett Shepard Junior foi o primeiro cidadão dos Estados Unidos a ir ao espaço, no voo suborbital da Freedom 7 em maio de 1961 (menos de um mês depois do pioneirismo de Gagarin).

Shepard nasceu em 18 de novembro de 1923 e foi um dos astronautas selecionados para o programa Mercury, em 1959. Mais tarde foi também designado como comandante da primeira missão Gemini e, originalmente, seu nome constava no comando da Apollo 13. Mas foi ele mesmo quem pediu para sair da equipe, alegando que precisava de mais tempo de treinamento.

Aos 47 anos (o astronauta mais velho no programa Apollo) Shepard foi finalmente comandante da Apollo 14 e se tornou o quinto homem a pisar na Lua. Sempre astuto nos negócios, foi o único astronauta a ficar milionário enquanto ainda estava no programa. Shepard faleceu em 21 de julho de 1998, com leucemia.

Ainda há quem pense que a missão Apollo 11 (1969), foi o único pouso tripulado na Lua. Mas o fato é que entre 1969 e 1972 um total de doze homens caminhou na superfície lunar, em seis viagens do famoso programa espacial norte-americano.

Pior ainda: há quem pense que missão lunar nenhuma aconteceu de verdade. Sobrevive o mito de que tudo não passou de uma grande farsa. Porém, por trás desse descrédito, existem apenas as famosas “teorias” conspiratórias, anacronismos e, sobretudo, um grave déficit educacional no aprendizado de ciência básica.

Esta série de artigos vem mostrando, desde o começo do ano, quais as discussões mais comuns que surgem sobre esse tema, as dúvidas e hipóteses dos que acreditam em fraude – e os fatos que falam por si.

Filme quente

Fato
As temperaturas na Lua atingem 140ºC. Isso seria suficiente para assar um filme fotográfico.

Dúvida
Como os astronautas puderam obter todas aquelas fotografias da superfície lunar?

Conspiração
Não houve fotos, pois tudo não passou de uma grande fraude. Os filmes fotográficos simplesmente não teriam suportado o calor.

Realidade
Sabemos que a rotação em torno de seu próprio eixo define a duração do dia num astro iluminado, como a Terra ou a Lua. Mas no caso da Lua acontece algo curioso. O mesmo tempo necessário para ela dar uma volta ao redor da Terra é o que ela gasta para completar uma rotação. E esse tempo é de cerca de um mês.

Ou seja, o dia e a noite na Lua demoram, cada um, cerca de duas semanas. Leva duas semanas para o Sol se erguer sobre o horizonte lunar, atingir sua altura máxima e se pôr, como acontece uma vez por dia na Terra. Durante todo esse tempo vamos verificar uma ampla gama de temperaturas (onde 140 ºC é o máximo registrado). Só que nenhum astronauta ficou duas semanas inteiras na Lua.

Os pousos das missões Apollo foram programados para acontecer durante as manhãs lunares, quando as temperaturas são mais suportáveis e os trajes dos astronautas não seriam submetidos a um superaquecimento. Tipicamente, o Sol estava a cerca de 20 graus acima do horizonte durante as missões Apollo.

Os filmes fotográficos também não foram expostos desnecessariamente ao ambiente lunar. Como não existe atmosfera, o calor é irradiado do Sol e do solo. Somente o que estiver recebendo energia luminosa absorve calor, de acordo com o tipo de material. Caminhar com a câmera e fotografar por algum tempo não faz com que a temperatura máxima ocorra no interior da câmera.

Além disso, se você estiver fora do alcance da luz solar direta, sentirá bastante frio. Como a caixa da máquina fotográfica (e o próprio módulo de pouso) foi projetado para refletir calor, o filme nunca chegou nem perto de atingir o pico de temperatura que foi construído para suportar.

Sombras claras

Fato
Mais uma questão envolvendo fotos: nas imagens obtidas pelos astronautas as sombras não escondem os objetos. Eles continuam visíveis, muitas vezes claramente.

Foto da NASA
FOTO DE 1969 mostra claramente o astronauta Buzz Aldrin que, no entanto, está à sombra do módulo lunar. Crédito: NASA.

Dúvida
Se o Sol é a única fonte de luz e se não existe atmosfera para dispersar a luz, as sombras não deveriam ocultar inteiramente os objetos nela envoltos?

Conspiração
É claro que sim! E isso é outra prova da farsa das viagens tripuladas à Lua. No estúdio da NASA onde foram filmados os pousos havia vários refletores para iluminar o que interessava – os atores/astronautas. E essas outras fontes de luz acabaram denunciando a fraude!

Realidade
O problema com esta afirmação é que ela deixa de considerar a luz refletida. Além do próprio Sol, a maior fonte de luz na Lua é a própria superfície lunar. Assim, apesar da frase “o Sol é a única fonte de luz” ser muito repetida quando se fala das missões tripuladas à Lua, ela não é rigorosamente verdadeira.

A própria Terra reflete luz do Sol para a Lua. Na verdade, nosso mundo brilha pelo menos cinco vezes mais que a Lua Cheia. E como a Lua mantém sempre uma mesma face voltada para a Terra (e sabendo que todos os pousos lunares foram no hemisfério lunar voltado para cá), os astronautas sempre tinham a Terra em algum ponto do céu.

Ou seja, simplesmente existem várias fontes de luz indireta, capazes de iluminar objetos à sombra. Uma das mais inusitadas (e brilhantes!) era o traje espacial do outro astronauta que tirava a foto, como você pode conferir no interessante vídeo a seguir (em inglês), que usa modernos recursos computacionais para avaliar as condições de iluminação vistas nas fotos das missões Apollo.


Continua…

 

Doze homens e uma conspiração
A Debunking of the Moon Hoax Theory 

» Referências (fontes consultadas):
Did we land on the Moon? In: Rocket and Space Technology. Disponível em <http://www.braeunig.us/space/hoax.htm>. Acesso em 30 mar 2015.

» Publicação em mídia impressa:
• Costa, J. R. V. Doze homens e uma conspiração. Tribuna de Santos, Santos, 29 mai 2006. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.

» Como usar o texto desta página na sua pesquisa? show