Além de 2001

Arthur C. Clarke, autor de “A Sentinela”, conto no qual foi baseado o filme “2001: Uma Odisseia no Espaço” afirmou certa vez: “o que hoje começou como novela de ficção científica amanhã terminará como reportagem”.

É certo que ninguém pode prever o futuro, mas ele mesmo já esboçou diversos “futuros” possíveis. Em 1945 sugeriu uma posição de onde um satélite em órbita da Terra permaneceria imóvel, girando na mesma velocidade que nosso planeta. Hoje, o termo “Órbita de Clarke” é usado com frequência em lugar de órbita geoestacionária.


COM PRECISÃO INCRÍVEL  Numa entrevista em 1974, Arhur Clarke descreve como seria o futuro em relação ao uso da internet e da computação pessoal.

A maioria das vezes, porém, um futurólogo corre o risco de entrar para a história pelo ridículo, considerando que somos influenciados pelos fatos presentes e que eventos completamente inesperados podem mudar o rumo da história em poucos anos. Charles H. Duell, gerente do escritório de patentes dos Estados Unidos, afirmou, em 1899, que tudo o que podia ser inventado já havia sido.

 Advertisement
 

Quase cindo décadas mais tarde, em 1946, o presidente da 20th Century Fox declarou que a televisão logo sairia do mercado, pois as pessoas ficariam entediadas de permanecer sentadas diante do aparelho. E nos anos 60, em plena Guerra Fria, previu-se que o comunismo dominaria boa parte das nações. Naquela época, quem apostaria no fim da União Soviética?

Previsões
ALGUNS DOS EPISÓDIOS A SEGUIR, relacionados por Clarke, já estão até programados, enquanto outros têm pelo menos uma boa chance de acontecer – ainda que não nas datas citadas. Somente quem viver até 31 de dezembro de 2100 dará o veredicto final. Fim



 

No limite da realidade
Comunicações interplanetárias

» Sobre o autor:
Arthur Charles Clarke nasceu em 16 de dezembro de 1917 em Minehead, Inglaterra, dedicando sua vida à ciência e sua divulgação. Com apenas 28 anos previu com rigor científico a era dos satélites de comunicações e a órbita que os mesmos ocupariam, fato que lhe trouxe inúmeras honras, como o prêmio Marconi International Fellowship e a medalha de ouro do Franklin Institute. Escreveu cerca de 80 livros, traduzidos em mais de 30 idiomas. Em 1996 foi nomeado “Grande Mestre” pela Science Fiction Writers of America. Desde 1956 morava Sri Lanka, uma antiga colônia britânica no sul da Índia. Foi lá que faleceu, no dia 19 de março de 2008.

» Transcrito com autorização de:
• Clarke, A. C. Além de 2001. Seleções de Reader’s Digest, Rio de Janeiro, p.44–49, 2001.