As cores das estrelas
www.zenite.nu?cores

JOSÉ ROBERTO V. COSTA
Astronomia no Zênite
O Universo é tudo para nós

Quando olhamos para o céu numa noite limpa e sem luar, longe das luzes da cidade, facilmente constatamos que muitas estrelas têm uma cor peculiar. Sírius e Vega, por exemplo, cintilam como diamantes branco-azulados.

Capella tem um brilho amarelo, como um sol distante, enquanto Arcturus é levemente alaranjada. Betelgeuse, Aldebaran e principalmente Antares exibem um tom vermelho como um rubi. Ao telescópio, essas cores atingem tons de elevada pureza.

O Sol aquece a Terra e os outros objetos do Sistema Solar com uma luz dourada. Por certo haverá planetas iluminados pelos raios de uma estrela azul. E o que dizer da alvorada em um planeta que resplandece sob a luz de dois sois? Que efeitos fantásticos de luzes e cores se alternam nesses mundos?

Conhecimento em cores
PARA COMEÇAR A ENTENDER ESSES FENÔMENOS, é importante recorrer a certos conceitos de Física. Sabemos que as folhas das árvores são verdes porque absorvem todas as demais radiações, exceto o verde, difundindo-o ao seu redor. Se a fonte de luz se apaga, os objetos desaparecem.



TRÊS MAÇAS IDÊNTICAS A cor vermelha caracterísitca
só é visível quando a fruta é iluminada com luz policromática.

Porém, a chama de uma vela tem luz própria, assim como uma barra de ferro numa fundição ou o filamento de uma lâmpada incandescente, que fica avermelhado se a energia elétrica está fraca, mas muda de cor, atingindo tons mais claros à medida que a temperatura aumenta.



LUZ E CALOR A chama de uma vela é uma reação química,
a parte visível da matéria em modificação. Outros objetos
(como o ferro fundido ou o filamento aquecido da lâmpada)
podem emitir luz quando submetidos a altas temperaturas.

Devido à incandescência, esses objetos tornam-se fontes de luz – e sua cor depende diretamente da composição da luz que irradiam. Não é difícil analisar as cores de uma luz. Basta fazê-la passar por uma fenda delgada e atravessar um prisma de vidro. Com isso obtemos o espectro da luz.

UMA ESTRELA EMITE ENERGIA em todos os comprimentos de onda, mas não com a mesma intensidade.

O espectro das estrelas geralmente se apresenta como uma faixa luminosa e contínua, contendo todas as cores do arco-íris interrompidas por raias escuras. Essas raias são as “impressões digitais” das estrelas, revelando a composição química das camadas superficiais do astro.

Cada elemento químico tem a propriedade de mostrar raias no espectro em comprimentos de onda característicos. Comparando as raias de uma estrela com as obtidas em laboratório (com as “assinaturas” dos elementos químicos) é possível determinar a composição do astro.

Estamos diante de uma das maravilhas do conhecimento científico: a espectroscopia. Ainda que não seja possível recolher uma amostra de uma estrela qualquer, somos capazes de determinar do que ela é feita – e com admirável precisão!


ESPECTRÔMETRO simples acoplado a uma luneta

Sem estrelas verdes
A cor de uma estrela tem relação com a temperatura em sua superfície. Estrelas não muito quentes (cerca de 3.000 Kelvin) nos parecem avermelhadas. Já as estrelas amarelas, como o Sol, possuem temperatura em torno dos 6.000 Kelvin; e as mais quentes são brancas ou azuis porque sua temperatura fica acima dos 10.000 Kelvin.

Uma estrela emite energia em todos os comprimentos de onda, mas não com a mesma intensidade. Existe um pico de sua radiância para cada temperatura. Uma quantidade de energia que vai determinar a cor predominante da estrela. É por isso que não existem estrelas verdes.

Em princípio, deveriam existir estrelas em todas as cores do arco-íris (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta). Mas, quando essa seqüência de cores é obtida em função da temperatura de objetos incandescentes, a energia do branco se sobrepõe ao verde.

Classificação estelar
AS RAIAS VISÍVEIS NO ESPECTRO DE UMA ESTRELA permitem ordenar esses astros em classes de objetos similares. A classificação espectral atualmente em uso é baseado num esquema estabelecido em 1890 (Harvard Spectral Sequence).

Da mais quente a mais fria, as estrelas são agrupadas em classes identificadas pelas letras do alfabeto W, O, B, A, F, G, K, M e também R, N e S. Como são muito poucas as estrelas que entram nas classes W, R, N e S, sobram apenas os sete grupos destacados, fáceis de memorizar considerando as iniciais da seguinte frase em inglês:

OhBe A Fine GirlKiss Me!
Oh, seja uma garota legal: beije-me!

Cada classe é dividida em dez subgrupos numerados de zero a nove. O Sol pertence a classe espectral G2, sendo muito semelhante a Capella (G0), enquanto Sírius é da classe A1 e Betelgeuse da classe M2.

Estrelas de comportamento excepcional são designadas pela letra p, de peculiar, e as anãs, gigantes e supergigantes são identificadas por d, g e s, respectivamente, colocadas antes da letra principal.

Também foram introduzidas classes de luminosidades designadas pelos algarismos romanos de I a VII mais o algarismo arábico zero. A classe I, por sua vez, divide-se em Ia e Ib.

Vários outros símbolos são utilizados nas classificações espectrais das estrelas. WC e WN, por exemplo, indicam estrelas de alta temperatura superficial (estrelas Wolf-Rayet, da ordem de 60.000 K).

A letra e indica a presença de linhas de emissão, enquanto m indica a presença de metais. As duas tabelas a seguir fornecem características das classes espectrais e valores médios de temperatura, luminosidade, massa e raio de alguns tipos particulares.

Classe Espectral Características Temp. superficial Exemplo
O Hélio ionizado e metais; raias de hidrogênio de baixa intensidade 30.000Mintaka
B Hélio neutro, metais ionizados; raias de hidrogênio de alta intensidade 20.000Rigel
A Linhas (raias) de Balmer do Hidrogênio dominantes, metais fracamente ionizados 10.000Sírius
F Metais neutros e fracamente ionizados; raias de hidrogênio de baixa intensidade
7.000Prócion
G Cálcio fracamente ionizado e metais neutros; raias de hidrogênio de baixa intensidade 6.000Capella
K Metais neutros. Raias moleculares
começam a aparecer.
4.000Aldebaran
M Raias de óxido de Titânio molecular dominantes; metais neutros 3.000Betelgeuse
Temperatura em graus Kelvin (K = °C + 273).

As raras estrelas do tipo espectral R são ricas em CH e CN, enquanto as do tipo S contêm óxido de zircônio (ZrO2). Ambos os tipos apresentam raias de metais neutros em seus espectros.

O espectro produzido quando uma luz atravessa uma fenda e depois um prisma de vidro é contínuo. Se houver gás que absorva muito a luz visível no seu caminho, a forma característica de um arco-íris será interrompida por uma série de linhas escuras.

Isso acontece porque os elétrons ocupam níveis energéticos bem distintos nos átomos dos elementos químicos, mas quando o átomo absorve ou emite energia há transições entre níveis adjacentes. Essas transições produzem linhas de absorção ou de emissão nos espectros, como as do átomo de hidrogênio, mostradas na figura acima.


Estrelas da Seqüência Principal
Classe EspectralTemperatura Luminosidade Massa Raio
O5 40.000 5 x 105 4018
B0 28.000 2 x 104 187
A09.90080 32.5
G2 5.7701 11
M0 3.4800,06 0,50,6
Temperatura em graus Kelvin. Luminosidade, massa e raio tomando o Sol como unidade.



Opções  
       

Mais
Constelações, as 88 maravilhas do céu
Astros e estrelas

Referências bibliográficas:
• Astronomia Prática - Atlas do Céu. Rio de Janeiro, Ed. Rio Gráfica, 1985.
• Nicolsan, I. Série Prisma - Astronomia. São Paulo, Melhoramentos, 1977.
• Universo. São Paulo, Abril, 1999, p. 308 - 311.


Sobre esta página:
• Você está em zenite.nu?cores
• Última atualização em 26/02/2011 às 18h33min.
   

Astronomia no Zênite ©1999-2014. Todos os Direitos Reservados (sobre a reprodução deste artigo).