Fases da Lua

 A Lua, agora.

 Ao lado, a forma da Lua vista do hemisfério Sul. Lua nova*
 Ângulo de fase de   radianos
 Visão atual: Hemisfério   
*Os resultados podem não ser precisos. Veja as fases lunares do mês.

JOSÉ ROBERTO V. COSTA
Astronomia no Zênite
O Universo é tudo para nós

O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca em torno da Terra. Um ciclo completo leva 29 dias e meio e se chama mês lunar, lunação, revolução sinódica ou ainda período sinódico da Lua.

Uma fase da Lua representa um ângulo cujo vértice está na Terra, entre Lua e Sol. Mas como a Lua se move, esse ângulo muda constantemente. Assim, rigorosamente falando, a cada instante temos uma fase da Lua diferente. A Lua, na verdade, tem infinitas fases!

Em cada dia da lunação enxergamos a Lua um pouco diferente e assim podemos imaginar cerca de 30 diferentes fases da Lua – mas isso ainda não é o bastante (veja o quadro “Ponto chave”).

Porém, em nossa cultura, geralmente apenas quatro fases lunares recebem denominações especiais: Lua Nova, Quarto Crescente, Lua Cheia e Quarto Minguante.

Entre duas fases iguais (duas luas novas, por exemplo) passam-se 29,5 dias. Portanto, em 1 ano temos 12,4 ciclos lunares completos. Isto significa que uma mesma fase pode acontecer no mínimo 12 e no máximo 13 vezes num único ano.


REPRESENTAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA
O movimento da Lua acompanha a numeração. Em 1: Nova, 3: Crescente, 5: Cheia e 7: Minguante. As fases representadas pelos números 4 e 6 podem ser chamadas de crescente e minguante giboso, respectivamente. Neste diagrama, Terra e Lua não estão em escala e a órbita lunar é vista como se estivéssemos sobre o pólo norte terrestre.

Em que fase estamos?
AS FASES LUA NOVA, LUA CRESCENTE, LUA CHEIA E LUA MINGUANTE não duram uma semana, como sugerem alguns calendários. Na verdade elas acontecem apenas num certo dia do mês e em instantes críticos que correspondem a situações geométricas muito bem definidas na posição relativa entre Sol, Terra e Lua.

  Fases da Lua - Outubro de 2014
Lua Crescente dia 1 às 16h34min Lua Cheia dia 8 às 07h52min
Lua Minguante dia 15 às 16h13min Lua Nova dia 23 às 18h58min
Lua Crescente dia 30 às 23h50min
Horários referidos ao fuso -3 (Brasília).

No caso dos Quartos Crescente e Minguante, um observador vê a metade do disco lunar iluminado. Ou, em outras palavras, a metade do hemisfério lunar voltado para a Terra – o que por sua vez corresponde a 1/4 da superfície lunar iluminada, daí o termo.

Quando é Lua Cheia vemos o disco lunar 100% iluminado. Quando é Lua Nova não a vemos, pois não há luz solar refletida (0% de iluminação). Nos demais dias do mês a Lua não é cheia e nem nova. Ela pode estar crescendo ou minguando, mas enquanto não chegar o momento, ainda não será Quarto Crescente nem Quarto Minguante.

Caracterizando as 4 principais fases
UMA FASE LUNAR OCORRE PARA O MUNDO TODO, não importa a localização do observador (se é Lua Nova no Brasil, também é Lua Nova no Japão). Porém, elas não são vistas da mesma forma. No hemisfério Norte o aspecto da Lua é invertido em relação ao visto por um observador no hemisfério Sul.

Você pode alternar entre essas visões no recurso A Lua agora, no início desta página. A seguir, mais explicações sobre o que caracteriza cada uma das quatro principais fases da Lua.

 Nova
É quando o hemisfério lunar voltado para a Terra não reflete nenhuma luz do Sol. Dizemos também que a Lua está em conjunção com o Sol. A Lua Nova só é visível durante os eclipses do Sol que, aliás, só acontecem quando é Lua Nova. Nessa fase, o ângulo entre Sol, Terra e Lua é praticamente zero. A Lua Nova nasce por volta das seis horas da manhã e se põe às seis da tarde. Ou seja, ela transita pelo céu durante o dia.

Crescente
Cerca de sete dias e meio depois da Lua Nova, a Lua deslocou-se 90° em relação ao Sol e está na quadratura ou primeiro quarto. É o Quarto Crescente. A Lua nasce aproximadamente ao meio-dia e se põe à meia-noite. Seu aspecto é o de um semicírculo voltado para o Oeste. Vista do hemisfério Sul, a aparência do Quarto Crescente lembra a letra “C”, de crescente. Mas no hemisfério Norte, ao contrário, a Lua crescente se parece um “D”.

Cheia
Passados 15 dias da Lua Nova, dizemos que a Lua está em oposição ao Sol. É Lua Cheia. Os raios solares incidem verticalmente sobre o nosso único satélite natural, iluminando 100% do hemisfério voltado para a Terra. O ângulo Sol-Terra-Lua agora é de 180 graus. Lua e Sol estão em lados diametralmente opostos do céu.

Curiosamente, essa é a pior ocasião para observar a Lua ao telescópio, pois a luz do Sol que incide sobre o satélite quase não produz sombra, o que dificulta o reconhecimento de crateras e outros acidentes do terreno. A Lua Cheia é visível durante toda a noite, nascendo por volta das dezoito horas e se pondo às seis da manhã. Somente numa noite de Lua Cheia pode acontecer um eclipse lunar.


Minguante
Uma nova quadratura surge quando a diferença angular é de 270°. Neste dia, o aspecto da Lua é de um semicírculo voltado para o Leste. A Lua nasce à meia-noite e se põe ao meio-dia, aproximadamente. O Quarto Minguante também pode ser entendido como um “quarto decrescente” e, de fato, visto do hemisfério Sul, a Lua lembra uma letra “D”, de decrescente.

Em qualquer fase intermediária podemos imaginar o lado iluminado da Lua como sendo um grande arco. A flecha dele disparada irá sempre atingir o Sol, indicando sua direção, mesmo que o astro-rei não esteja mais acima do horizonte.

Ainda é importante lembrar que a aparência da Lua como “C” ou “D” depende de sua posição em relação ao horizonte. Uma regra mais geral é observar o lado iluminado da Lua. Se ele estiver na direção Leste (o lado do nascente), a Lua estará minguando. E se, ao contrário, o lado iluminado estiver voltado para o Oeste (o poente), a Lua estará crescendo.


Horários aproximdados da visibilidade da Lua em suas 4 principais fases

QUEM DISSE QUE A LUA NÃO É VISTA DURANTE O DIA?
Durante uma lunação, nosso satélite natural pode ser observado em diferentes momentos, inclusive pela manhã ou à tarde, dividindo o céu com o astro-rei. O gráfico mostra os horários aproximados (de 0 a 24h) quando a Lua pode ser vista em cada uma de suas quatro fases principais. Embora na fase Nova a Lua não seja visível, podemos observà-la dentro do horário mencionado no gráfico até dois dias antes ou depois da data da Lua Nova.

Representando corretamente
AINDA QUE O ARTIFÍCIO DA FLECHA SEJA ÚTIL para encontrar o Sol, é importante lembrar que nos Quartos Crescente e Minguante a Lua jamais assume a forma de um arco ou foice. Essas fases devem ser mostradas como semicírculos.

As muitas fases da Lua

Calendário lunares
COM O RECURSO ABAIXO é possível obter calendários lunares para anos passados ou futuros. Basta preencher o ano desejado e clicar no botão. Esses calendários estão pré-configurados para o fuso horário de Brasília (UTC-3 horas), sendo gerados pelo Anuário Interativo do Observatório Nacional, sob responsabilidade do Dr. João Luiz Kohl Moreira, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica.

Ano:  
Lua, com inicial maiúscula é substantivo próprio, o nome do nosso único satélite natural. Com inicial minúscula é substantivo comum, sinônimo de satélite natural. A nossa lua chama-se Lua, enquanto as luas de outros mundos recebem outros nomes.

Lado oculto
EXISTE UMA SINCRONIA entre os movimentos de rotação da Lua em torno de seu próprio eixo e a revolução da Lua em volta da Terra. Por causa disso o satélite mantém sempre a mesma face voltada para a Terra.

Não podemos observar plenamente o outro lado, que por isso recebe o nome de “lado oculto” – o que não é o mesmo que “lado escuro” (onde é noite). A Lua gira sobre si mesma, só que demora tanto tempo para realizar esse movimento quanto para circular a Terra. Assim, os dias e noites na Lua duram, cada um, cerca de 14 dias terrestres.

Quando é Lua Nova, a face voltada para nós está no escuro (não reflete luz do Sol), mas o hemisfério oposto – o lado oculto para a Terra – está 100% iluminado (é dia). Já durante os Quartos Crescente e Minguante, metade da Lua está de dia, enquanto é noite na outra metade. O mesmo ocorre no lado oculto.

À direita, o lado oculto da Lua, fotografado pela nave Clementine. Repare como ele é mais craterizado que a face visível (à esquerda). Graças a um movimento chamado libração, a Lua executa um "bamboleio" que nos permite ver até 9% do lado oculto.

Perigeu e apogeu
A ÓRBITA DA LUA NÃO É CIRCULAR. O astrônomo alemão Johannes Kepler mostrou que os corpos celestes se movem em elipses em volta de outros objetos mais maciços que eles próprios, como estrelas e planetas.

À primeira vista, as elipses se apresentam de formas muito diferentes, podendo ser bastante alongadas (como as órbitas dos cometas) ou quase indistinguíveis de uma circunferência (como a órbita da Terra). Porém, toda órbita elíptica tem um ponto de maior e de menor aproximação com o astro central. Chamamos a menor distância de perigeu (do grego peri, próximo, e gee, derivado de Terra) e a maior de apogeu.

Esses termos também recebem a denominação apsis; plural apsides. As apsides lunares não têm relação direta com as fases. Porém, ocasionalmente uma Lua Cheia coincide com o perigeu e com isso pode se apresentar até 30% mais brilhante que uma Lua Cheia no apogeu. Também fica significativamente maior [foto ].


Vista da Terra, a Lua pode ocupar uma certa faixa de inclinações (e por isso não ocorrem eclipses todos os meses), ficar mais próxima (menor perigeu em 356.375 km) ou mais afastada (maior apogeu em 406.720 km). A distância média da Terra à Lua é de 384.401 km.

Na figura, a maior parte das órbitas dos satélites artificiais, incluindo a Estação Espacial Internacional, fica a apenas 1 pixel de distância da Terra. É curioso pensar que entre todos os seres humanos apenas 531 estiveram a esse pixel de distância. São os astronautas. Dentre eles, apenas 24 foram tão longe quanto a distância da Lua: foram os tripulantes de 8 missões Apollo.

Onde estão as estrelas? Na foto, ainda não é noite de Lua Cheia, mas assim mesmo o luar já prejudica a visão do céu noturno sobre observatórios no Havaí.

O luar
ALBEDO É UM VALOR APROXIMADAMENTE FIXO que indica o quanto a superfície de um corpo celeste sem luz própria é capaz de refletir a luz que nele incide.

O albedo da Lua Cheia, o luar, vale cerca de 0,07. É o mesmo que dizer que o satélite reflete 7% da luz do Sol.

Em comparação, vista da Lua, a “Terra cheia” reflete 39% (albedo 0,39). É que a superfície do nosso planeta quando vista da Lua é cerca de 13 vezes maior que a Lua Cheia vista da Terra.

Além disso, os mares, desertos e principalmente as nuvens acabam resultando num albedo muito maior do que o lunar.

Mesmo assim a luz do luar é intensa o bastante para prejudicar à visão de outros corpos celestes e por isso recomenda-se observar objetos pouco luminosos (como nebulosas, aglomerados ou chuvas de meteoros) nos horários em que a Lua não está acima do horizonte.


Luz cinérea
HÁ ALGO DE MISTERIOSO NA LUA. Um fenômeno que acontece próximo da Lua Nova. Uma claridade tênue, porém marcante, ilumina o lado do satélite que deveria estar no escuro. Esse brilho fantasmagórico dura poucas noites e desaparece quase sem deixar lembranças.

O brilho de Da Vinci. Foi Leonardo quem propôs, em 1510, a primeira explicação satisfatória sobre a misteriosa luz cinzenta da Lua.

É a luz cinérea (ou luz cinzenta). Por milhares de anos ela intrigou a humanidade, até que um artista italiano de múltiplas habilidades propôs uma explicação para o fenômeno.

A luz cinérea acontece poucos dias antes e depois da Lua Nova, quando a maior parte do hemisfério noturno da Lua está voltado para nós. Como a Terra reflete muito mais luz que a Lua acaba iluminando o satélite por reflexão. E embora essa luz seja muito mais fraca que a solar, a porção escura da Lua acaba se tornando visível por contraste.

A luz cinérea faz três percursos até chegar aos nossos olhos. Primeiro, ela sai do Sol e vem iluminar a Terra; depois é refletida pela Terra e vai iluminar a face noturna da Lua. Em seguida parte da Lua novamente em direção ao nosso mundo, chegando até você, que está observando o satélite.

Além disso, ela pode variar de intensidade. Quanto mais nuvens envolverem a Terra, maior será a quantidade de luz refletida para a Lua e de volta para nós. Por isso existe relação entre as condições meteorológicas terrestres e a luz cinérea.


Blue Moon e idade da Lua
NOS PAÍSES DE LÍNGUA INGLESA costuma-se chamar a segunda Lua Cheia que ocorre num mês de Blue Moon (Lua Azul). O termo vem de uma antiga história popular e a Lua não fica azul de fato.

Mais comum é a convenção sobre a “idade da Lua”. Ao contrário do que ela sugere, não se trata do tempo desde que a Lua se formou, mas da quantidade de dias desde a última Lua Nova (sempre variando de zero a 29).

A seguir fornecemos uma calculadora através da qual você pode obter a idade da lua em certa data, além de outras informações interessantes.

Ano: 
Mês: 
Dia: 
Idade da Lua:  dias
Aparência: 
Distância:  raios terrestres
A Lua está em: 
   
« Espaçonave Terra Opções  
       
Dica: Use a opção Citar para saber como indicar 
esse texto na bibliografia da sua pesquisa 
Mais
A Lua em números  
O fascínio dos eclipses
Telescópio
Blue Moon
A Terra sem a Lua
Hora Universal

Glossário:
• Albedo | Hemisfério | Libração | Lunação

Publicação em periódico impresso:
• Costa, J. R. V. A Lua e o dragão. Tribuna de Santos, Santos, 11 abr 2005. Caderno de Ciência e Meio Ambiente, p. D-4.


Sobre esta página:
• Você está em zenite.nu?fasesdalua
• Última atualização em 06/09/2014 às 18h24min.
   

Astronomia no Zênite ©1999-2014. Todos os Direitos Reservados (sobre a reprodução deste artigo).